Alergia a Shampoos em Cães

O seu cãozinho tomou um banho, ficou cheiroso, e, de repente… começou a se coçar. A pele ficou irritada, avermelhada, e o bichinho está até se arrastando pelo chão para aliviar a coceira. O que aconteceu?

Se esta cena lhe parece familiar, é possível que o seu cão tenha alergia ao shampoo que ele usa. Este é um tipo de alergia de contato.

O que é alergia de contato?

Alergias em geral são reações de defesa exageradas do organismo, que acontecem quando se entra em contato com uma determinada substância. Esta substância, genericamente chamada de “alérgeno”, pode ser praticamente qualquer coisa. Alguns alérgenos comuns são: o pólen, a poeira, a poluição, a saliva de pulgas, o veneno de abelhas, e até mesmo a proteína da carne bovina ou de frango, além de produtos químicos em geral.

O que causa alergias graves para um indivíduo pode ser completamente inócuo para os outros, por isso, é difícil prever, para cada animal, quais são os alérgenos que podem vir a causar problemas. A proteína da carne, por exemplo, é fundamental para a nutrição de cães e gatos. E, ainda assim, alguns animais têm alergia a ela, e podem passar mal ou ter coceiras por causa disso.

filhote se coçando

A coceira é um sinal clássico de alergias.
Imagem: Central California SPCA

A alergia de contato especificamente é um tipo de reação que acontece quando o contato do animal com o alérgeno acontece através da pele. Ela pode ser causada, por exemplo, por resíduos de sabão em tecidos (na caminha ou nas roupas do cão), por produtos de limpeza usados no chão da casa, e… por shampoos.

Quais são os sinais de alergia a shampoos em cães?

A maioria dos sinais costuma aparecer pouco tempo depois do banho – em geral, em questão de minutos a horas, mas pode levar alguns dias. O que observamos na maioria dos casos é:

  • Pele avermelhada, irritada;
  • Cão se coça e se lambe, especialmente as patas;
  • Chacoalha a cabeça;
  • Esfrega o focinho;
  • Formação de pústulas;
  • Urticária.

A médio prazo, ou, caso o cão continue usando o mesmo produto nos banhos seguintes, novos sinais podem aparecer, tais como:

  • Infecções de pele;
  • Infecções de ouvido;
  • Patas inflamadas cronicamente;
  • Falhas de pelos;
  • Ulcerações na pele;

Por fim, menos comumente, ocorrem reações alérgicas mais graves, tais como edema (inchaço) de face e até mesmo reações anafiláticas. Quando acontece uma reação anafilática, as vias aéreas do cão ficam inchadas, bloqueando a passagem do ar. Este tipo de situação é uma emergência e requer atenção veterinária imediata.

É alergia, ou intoxicação?

Os shampoos “comuns”, em sua maioria, não têm grande risco de causarem intoxicações a não ser que sejam ingeridos pelo animal (e, mesmo se ingeridos em pequenas quantidades, não costumam haver problemas mais graves). Mas o mesmo não é necessariamente verdade em relação aos shampoos medicamentosos.

Alguns shampoos medicamentosos, como aqueles usados para o tratamento da sarna, podem sim intoxicar. Por esta razão, se o seu médico veterinário prescrever um shampoo especial para o tratamento de alguma doença de pele do seu cão – principalmente para infecções e sarnas -, leia atentamente o rótulo do produto antes de aplicar no animal. Alguns contêm venenos, e inclusive recomendam o uso de luvas para a sua manipulação. Há também casos em que o cão não deve ser exposto a altas temperaturas e ao sol após a utilização, para evitar a absorção do princípio ativo através da pele. Tome todos os cuidados necessários conforme orientado pelo seu médico veterinário e as instruções do rótulo.

Se, mesmo tomando todos os cuidados, você perceber que o seu cão não parece bem, leve-o imediatamente ao veterinário. As intoxicações normalmente começam rapidamente, e podem incluir sinais como:

  • Salivação excessiva;
  • Incoordenação motora;
  • Confusão mental;
  • Perda da consciência;
  • Convulsões;
  • morte.
cão salivando

A salivação excessiva pode indicar uma intoxicação.
Imagem:Pet Helpful

Como saber se o meu cão tem alergia ao shampoo que ele usa?

Uma dica é observar se ele costuma apresentar coceiras ou irritações na pele pouco tempo depois de tomar banho. Outra coisa que pode levar à suspeita de alergia ao shampoo é o fato de o cão ter infecções repetitivas de pele e/ou ouvidos.

Se desconfiar que possa ser o caso do seu cão, leve ao veterinário para examinar. Antes de assumir que a causa do problema é o shampoo, é preciso descartar outras possibilidades, tais como fungos e sarnas. Eventuais infecções que ele tenha, mesmo que sejam secundárias à alergia, precisarão receber o tratamento específico.

Mas ele sempre usou o mesmo produto…

Uma reação alérgica dificilmente aparece no primeiro contato de um animal com o alérgeno. Normalmente, são necessárias repetidas exposições àquela mesma substância (no mínimo, duas vezes, mas, as vezes, mais) para que a alergia comece a se manifestar. Por isso, mesmo que o seu cão já esteja usando o mesmo produto há anos, não é impossível que ele tenha se tornado alérgico a ele – e, se o seu cão tiver problemas recorrentes de infecções de pele e/ou ouvidos, este é um sinal de que esta alergia já vem ocorrendo há algum tempo.

Como tratar a alergia a shampoos?

Como fazemos com todas as alergias quando isso é possível, devemos remover o contato do cão com aquele alérgeno. Em se tratando de um produto de higiene, é algo relativamente simples: basta trocar por outro shampoo que tenha uma composição diferente, e ver como ele reage.

Lembre também que outros produtos de higiene, tais como perfumes e hidratantes, também podem causar reações alérgicas. Evite usar qualquer produto que não seja realmente necessário para o seu cão.

Imagem: Pet MD

Existem alguns shampoos que são feitos especialmente para cães com peles sensíveis. Estes shampoos não apenas têm menor probabilidade de causar alergias, como também ajudam a “acalmar” a pele que já esteja irritada.

Se o cão estiver se coçando muito ou apresentando reações mais sérias, o médico veterinário poderá também prescrever medicamentos para ajudar a aliviar os sinais e tratar infecções secundárias que porventura tenham se instalado.

 

Autora: Bárbara Gomiero

Formada em Medicina Veterinária pela UFPR em 2006, especialista em Clínica de Pequenos Animais. Apaixonada por cães, tem um amor especial pelos cães idosos, e trabalha para levar conhecimento e informação aos seus tutores, para que esses sejam capazes de proporcionar uma excelente qualidade de vida nessa fase tão delicada de seus cãezinhos.

  • Eliane Gonçalves

    Cara doutora Barbara,
    Gosto de seus artigos.
    Tenho uma cadelinha de 7 anos, que se coça muito a muito tempo. Busquei uma especialista(dermatologista)e fizemos todos os tipos de exames, trocamos alimentação, inicialmente trocamos de ração indicada pela profissional, depois tivemos que passar a dar arroz com um carne especial. enfim fizemos tantas mudanças e de nada resolveu.
    Agora leio o seu artigo e vejo que mesmo shampoo medicamentoso pode levar a essa coceira que ninguém descobre.
    Uso a muito Cloresten.
    Pode ser um opção de alergia, doutora?

    Att,
    Eliane

    • Olá, Eliane!
      Os shampoos medicamentosos podem causar alergias também, embora não seja tão comum. Vocês podem fazer um teste para ver como ela reage.
      Considerando que já foram feitos vários testes sem que se tenha chegado a uma conclusão, é possível também que ela tenha atopia, ou seja, alergia ambiental – caso em que não temos muito como impedir o contato do cão com os alérgenos, pois eles estão em toda parte (como alergia a poeira, poluição, pólen, entre outras coisas que podem estar no ambiente e sobre as quais não temos controle).
      Quando um cão tem atopia, é preciso aprender a conviver com o problema e manejá-lo. Isso pode significar medicar o animal pelo resto da vida, continuamente ou nas épocas do ano em que a alergia piora, por exemplo. Podem ser usados shampoos hipoalergênicos especiais e outros recursos para “acalmar a pele”, embora o cão continuará sempre sendo alérgico.
      Outra opção que funciona para alguns cães (não para todos, mas pode funcionar) é mandar fazer uma vacina específica para ele. Esta vacina é elaborada com base em um exame de sangue do cão, e tem como objetivo reduzir as suas alergias. O problema é que esta vacina só é feita em São Paulo (pode ser enviada para o Brasil todo), e tem um custo relativamente alto. Mas, caso estejam a procura de alternativas, pode ser uma opção a ser discutida com o seu médico veterinário.