7 Dicas para agir em afogamentos de cachorros - Meu Cão Velhinho

7 Dicas para agir em afogamentos de cachorros

Se você tem piscina em casa com certeza já se questionou se ela é um perigo para o seu cachorro, pois bem, ela pode ser e você precisa estar preparado para agir caso seu cachorro seu afogue.

Algumas raças são nadadores naturais e amam a água, labrador, golden retriever e setter irlandês são alguns exemplos. Agora, se você é tutor de pug, bulldog e dachshund, tome cuidado e leia com atenção as dicas deste texto.

1. Retirar a vítima de afogamento da água o mais rápido possível

Se o seu cãozinho está em águas perigosas, como rios com correnteza muito forte ou em mar aberto, chame uma equipe de resgate imediatamente. Mas se ele caiu em uma piscina, avalie a posição do cachorro e a profundidade da piscina e realize o resgate.

2. Preste atenção no tempo

A aspiração de poucos mililitros de água enquanto submerso faz com que a oxigenação sanguínea do animal caia consideravelmente em poucos minutos, então é muito importante cuidar do tempo de socorro, quanto mais rápido ele for realizado, maiores serão as chances de recuperação do cachorro.

3. Ao resgatar o animal mantenha sua cabeça fora da água

Ao segurar o cão que esteja desacordado, é preciso manter sua cabeça fora da água (protegendo narinas e boca) na sequência, ao retirá-lo da água, deve-se manter o corpo em linha reta, para que lesões pulmonares mais graves e extensas não ocorram.

4. Se o cão estiver desacordado, faça uma “respiração boca-focinho” e/ou massagem cardíaca

Quando corretamente aplicadas, técnicas de “respiração boca-focinho” e massagem cardíaca podem salvar vidas, pois diminuem significativamente o tempo em que a vítima ficará sem oxigênio. Existem técnicas específicas para cães, e que variam conforme o tamanho do animal. É importante estar preparado antes que qualquer situação de emergência como esta ocorra, fazendo cursos e assistindo a vídeos que ensinam o modo correto de prestar o socorro.

5. Mantenha o cachorro aquecido

Cuidado com a temperatura baixa, pois, ela pode causar lesões cardiovasculares, metabólicas e neurológicas. Mantenha o animal aquecido com cobertor, panos ou toalhas durante o transporte para hospital veterinário mais próximo, para que possa ser feita uma avaliação de possibilidade de suporte, controle de temperatura e tratamento

6. Compre escadas de piscina especiais para pets

Devido ao aumento da ocorrência de afogamentos domésticos com animais, o mercado pet buscou adaptar-se, atualmente você encontra escadas para piscinas e bóias especiais para que o problema seja evitado. 

7. Isolar a área de risco

Com certeza a melhor opção em situações desse tipo é a prevenção, sendo assim, ensine o animal a nadar desde cedo e a não entrar sozinho na água – assim como não deixar que ele brinque ou tenha brinquedos próximos à região de risco. Promover isolamento da área na ausência de pessoas responsáveis e sempre se lembrar de desligar o filtro da piscina. Essas ações ajudam a evitar esse tipo de acidente em casa.

 

E para finalizar…

Caso seu cachorro sofra esse tipo de acidente NÃO dê nenhum tipo de medicamento ao seu cão sem consultar um médico veterinário de confiança. Afogamentos podem deixar sequelas graves nos pets, por isso não descarte a atuação desse profissional, apenas ele poderá medir com precisão a gravidade do acidente e das consequências para a saúde do seu melhor amigo.

Autora: Bárbara Gomiero