E o frio chegou!

 Já estamos em julho, e o frio chegou à maioria das cidades brasileiras. Em algumas, o frio é intenso o dia todo, enquanto em outras, ele vem só a noite. Seja como for, é preciso identificar se o seu peludo está sentindo frio! Apesar do seu “casaco de pele natural”, muitos cães são bastante sensíveis ao frio, e é preciso tomar alguns cuidados para evitar que eles sofram e adoeçam.

Como saber se meu cão está com frio?

Quando sentem frio, os cães naturalmente procuram formas de se aquecerem, como por exemplo:

  • Deitam-se sob o sol, de preferência em cima de pedras, calçadas, ou outros pisos que retêm calor;
  • Dentro de casa, procuram tapetes, almofadas, e outros locais macios;
  • Se encolhem, chegando a tremer se o frio for mais intenso;
  • Havendo mais de um cão na casa, eles procuram se agrupar para reter mais calor;
  • O apetite pode aumentar, como forma de repor as energias gastas para manter a temperatura corporal, e para tentar armazenar gordura, como meio de isolamento térmico.
Cães tomando banho de sol - frio

Paxá toma banho de sol para se aquecer

Estas medidas, entretanto, podem não ser suficientes – principalmente durante a noite, e em regiões onde há pouco sol. Nestes casos, precisamos intervir.

Como proteger meu cão?

Podemos tomar vários cuidados para evitar que ele sofra com o frio, como:

  • Vestir roupinhas no cão: apesar de alguns tutores considerarem “frescura”, e não gostarem de usá-las, as roupinhas ajudam a manter o cão aquecido em dias frios. Existem inúmeros modelos e materiais disponíveis, e pode ser necessário experimentar mais de um tipo até descobrir aquele com o qual o seu animal melhor se adapta. As roupinhas tipo “capa” são as mais comuns: elas cobrem bem o dorso do cão, e parte dos braços (“patas da frente”). Conforme o modelo, pode haver maior ou menor proteção para a barriga. Algumas possuem botões, que tornam o ato de vestir mais prático, mas que também podem acabar abrindo se a roupa ficar justa e o cão se movimentar muito; outras devem ser colocadas como camisetas, e exigem que o cão tenha um pouquinho de paciência com os “papais” na hora de vestir.

    Outro modelo comum é o “macacão”, que envolve os quatro membros do cão. Este tipo aquece mais, porém, nem todo cão aceita bem este tipo de roupa. Seja “capa” ou “macacão”, algumas roupinhas vêm com um cordãozinho para amarrar no pescoço. O cordão é bastante útil para cães que se movimentam bastante, pois evita que a roupa fique laceada e acabe saindo do cão enquanto ele brinca, ou mesmo enquanto dorme. O cordão não deve ser apertado, mas apenas amarrado (como uma coleira) ao redor do pescoço para evitar que a gola se expanda e deslize para baixo. Não use nós que possam “correr”, de modo que o cordão possa ferir o animal.

    Os materiais disponíveis são diversos, desde malhas finas até lã, algodão, e pele de ovelha. Ecolha o material conforme o tipo de pêlo do seu cão, a sensibilidade dele ao frio, e às temperaturas que fazem na sua cidade. Tome especial cuidado com cães de pêlos longos (poodles, malteses, lhasas, etc.), pois alguns tipos de roupas – especialmente as de lã – embolam os pêlos. Estes cães em particular apenas devem ser vestidos se o frio estiver realmente intenso, pois eles são naturalmente mais resistentes ao frio. Se o seu cão de pêlos longos estiver sentindo frio, você poderá vesti-lo, mas lembre-se de retirar a roupinha e escovar os pêlos dele pelo menos uma vez ao dia – caso contrário, poderá precisar raspar toda a pelagem dele até o final do inverno…

    Por último, mas não menos importante, temos a questão dos cães grandes: a maioria das confecções para cães, e também das pet shops, dá preferência às roupas para cães de pequeno porte. Assim, pode ficar difícil encontrar algo que sirva para o seu cão maior. Quem tem cães de raças menos proporcionais, como Dachshunds e Buldogues, também encontra dificuldades. Há poucas opções de modelos e estampas, quando há. Para os cães maiores, as vezes mesmo uma camiseta ou blusa velha dos tutores pode servir – basta fazer alguns pequenos ajustes, como cortar as mangas e colocar um cordãozinho no pescoço para ajustar a gola. Outra opção, menos “tupiniquim”, é mandar fazer sob medida. Há muitas lojas que aceitam encomendas, principalmente quando a confecção é própria. É possível também encontrar quem faça roupinhas sob medida em feiras de artesanato. As roupinhas sob medida normalmente não são muito mais caras do que as “normais”, e podem ser feitas no modelo e com a estampa que o tutor desejar – além, é claro, da garantia de um ajuste perfeito ao seu animal. Quando for encomendar uma roupa para o seu cão, não esqueça de levar as medidas dele: meça o perímetro do pescoço, do tórax, e da cintura dele, e também a distância entre a base do pescoço (a “parte de baixo”) e a base da cauda (onde ela “começa”).

  • Use cobertores! Se o seu cão dorme em casinha, forre-a bem com cobertores, para que fique bem aconchegante, e segure bem o calor lá dentro. Independente de ele dormir em casinha, caminha ou almofada, tire um minutinho para cobri-lo quando ele for dormir a noite. Ele ficará bem quentinho, e provavelmente só vai querer sair dali pela manhã.
  • Cubra a casinha. Se o seu cão dorme em uma casinha do lado de fora da casa, improvise uma “cortina” para ele. Você pode colocar uma cortina de banheiro, ou mesmo um cobertor (se na sua região não chover), por cima da casinha, cobrindo a porta dela. Esta medida vai ajudar a manter o calor lá dentro.
  • Recolha seu amicão! Outra alternativa, ainda, é permitir que cães que normalmente ficam para fora, entrem. Arrume um cantinho para ele na lavanderia, ou outro local que seja conveniente, onde ele possa ficar mais protegido do frio.
  • Em casos mais extremos, também vale usar um aquecedor. Mas lembre-se de tomar cuidado para não deixar o aquecedor perto demais do cão, para não correr o risco de queimá-lo. Esta é uma boa alternativa principalmente para cães mais maduros e idosos, que são sensíveis ao frio e não se rendem à tentação de mastigar um frio elétrico. Filhotes também podem se beneficiar de aquecedores, mas, com eles, é preciso tomar especial cuidado. Para evitar que o cão mexa no aquecedor, ou nos seus fios, vale colocar uma “cerquinha”, ou improvisar alguma barreira que o impeça de tocar nestes objetos.
  • Se possível, sirva alimentos quentes. Se o seu cão come dieta caseira, não deixe de aquecer os alimentos antes de servi-los.
  • Forneça uma dieta de alta qualidade (ração super premium ou dieta caseira prescrita por médico veterinário), para que o seu cão consiga manter a temperatura corporal sem dificuldades, e a imunidade, alta!
  • Verifique a carteirinha de vacinação dele. Mesmo cães idosos que já tomaram vacinas a vida toda, podem pegar certas doenças, como a gripe canina e mesmo cinomose! O frio pode diminuir a imunidade deles, e torná-los mais susceptíveis a estes problemas. Confira se o seu velhinho está com as vacinas em dia!

Estas são algumas dicas para ajudar a manter o seu peludo quentinho e saudável neste inverno. Quer deixar a sua dica? comente abaixo!

Autora: Bárbara Gomiero

Formada em Medicina Veterinária pela UFPR em 2006, especialista em Clínica de Pequenos Animais. Apaixonada por cães, tem um amor especial pelos cães idosos, e trabalha para levar conhecimento e informação aos seus tutores, para que esses sejam capazes de proporcionar uma excelente qualidade de vida nessa fase tão delicada de seus cãezinhos.