Atenção: este “petisco” pode intoxicar o seu cão!

Prove o seu amor pelo seu cão: NÃO dê chocolate para ele! Cães adoram chocolate, e nós adoramos vê-los felizes… mas esta alegria dura pouco. Chocolate é tóxico para cães, e pode até matar!

As substâncias do chocolate que são tóxicas para cachorros são as metilxantinas. No chocolate, são encontrados dois tipos de metilxantinas: a teobromina e a cafeína. Enquanto a DL50 (dose que é letal para 50% dos indivíduos) destes componentes para humanos é 1.000 mg/Kg, para cães este valor é de 100 a 200mg/Kg! Ou seja, os cães podem se intoxicar e morrer com apenas um décimo da dose que intoxicaria um humano.

chocolate

As quantidades de teobromina e cafeína podem variar bastante conforme o tipo de chocolate. Enquanto 100g de chocolate branco contém aproximadamente 0,88mg de teobromina e 2,99 mg de cafeína, 100g de chocolate meio amargo tem cerca de 458 mg de teobromina e 70 mg de cafeína! Já o cacau em pó chega a ter 2.600mg de teobromina e 246 mg de cafeína (por 100g)!

Na prática, o que isso significa? se a DL50 para cães é de 100 a 200 mg/Kg, quer dizer que um cão de 10Kg pode morrer se consumir 443g de chocolate ao leite, ou 189g de chocolate meio amargo. Pode parecer muito, mas não esqueça que não é raro os cães “roubarem” chocolates dos seus tutores quando estão sozinhos – e eles não estão preocupados se vão engordar ou se intoxicar! Por isso, deixe seus chocolates longe do alcance do peludo…

Outra observação importante: a DL50 a qual nos referimos é uma dose muito alta, potencialmente fatal (como dissemos, 50% dos cães morrerá se consumir esta quantidade de teobromina ou cafeína). Mas os sinais de intoxicação começam a aparecer bem mais cedo: o nosso “cão-modelo” de 10Kg poderá começar a apresentar sinais leves de intoxicação se consumir apenas 89g de chocolate ao leite (ou 38g de chocolate meio amargo – uns dois bombons). Sinais mais severos podem começar a aparecer a partir da ingestão de 177g de chocolate ao leite (ou 76g de chocolate meio amargo), e convulsões a partir de 266g de chocolate ao leite (ou 113g de chocolate meio amargo).

E mais: o risco acaba sendo maior ainda para cães de pequeno porte, já que é comum os seus tutores se “esquecerem” de que uma pequena quantidade de chocolate para um humano adulto é, geralmente, uma grande quantidade para um pequeno cãozinho! Um cão pequeno pode se intoxicar com apenas um bombom!

Mas, afinal, quais são os sinais de uma intoxicação por chocolate?

Os sinais começam a aparecer dentro de 6 a 12 horas após a ingestão do chocolate. Inicialmente, o cão fica agitado, bebe muita água, vomita e apresenta diarreia. A seguir, ele pode ficar hiperativo, urinar muito, ficar descoordenado, tremer, e ter convulsões. Por fim, ocorrem arritmias cardíacas, dificuldade para respirar, febre, e coma. A morte geralmente se deve às arritmias ou falência respiratória. Um outro efeito adverso potencial é a pancreatite, que pode acontecer dentro de 24 a 72 horas, devido ao alto teor de gorduras neste alimento.

Se o meu cão ingerir chocolate acidentalmente, o que devo fazer?

Leve-o ao veterinário. Apesar de que os sinais mais leves, como vômitos e diarreias podem ser apenas passageiros e se resolverem sozinhos, o tutor deve estar ciente de que a intoxicação pode progredir dentro das próximas horas, e se tornar grave. Quando devidamente tratados, a maioria dos cães intoxicados por chocolate sobrevive sem maiores sequelas.

Então, como posso agradar meu cão na Páscoa?

Resista ao olhar sedutor... Imagem: Circe Denyer

Resista ao olhar sedutor…
Imagem: Circe Denyer

O melhor presente para um cão é ter o amor e a dedicação do seu tutor. Então, que tal dar para ele um belo cafuné, um passeio divertido, e a sua companhia? só isso já bastará para alegrar o dia dele! Resista àquele “olhar” do seu cão, seja forte!! Mas, se quiser dar um agradinho comestível, prefira pedaços de frutas e petiscos próprios para cães. Você também pode encontrar em algumas pet shops “chocolate para cachorro”, que não é exatamente chocolate de verdade, mas é bem parecido, e não é tóxico.

Autora: Bárbara Gomiero

Formada em Medicina Veterinária pela UFPR em 2006, especialista em Clínica de Pequenos Animais. Apaixonada por cães, tem um amor especial pelos cães idosos, e trabalha para levar conhecimento e informação aos seus tutores, para que esses sejam capazes de proporcionar uma excelente qualidade de vida nessa fase tão delicada de seus cãezinhos.