O que fazer caso um cão seja atropelado - Meu Cão Velhinho

O que fazer caso um cão seja atropelado

Estamos quase todos os dias nos movimentando de um lugar para o outro. Nessas idas e vindas entre ruas e estradas não é fora do comum nos depararmos com tristes cenas de atropelamentos de animais. 

Em nenhum momento desejamos que isso possa acontecer com a gente, contudo, acidentes podem acontecer, e o melhor é que possamos lidar da melhor forma possível para ajudar os nossos e outros pets em caso de atropelamento e acidentes relacionados.

A conversa é séria e vale atenção. Mas então, o que fazer nesses casos?

Tire a vítima da via.

Ao ver a cena é importante retirar o cachorro da via o quanto antes. Levar a uma calçada no caso de cidades ou acostamento em caso de estradas pode ser uma saída. Isso vai evitar que o animal seja novamente atropelado. Porém, faça com calma, pois todo o cuidado é pouco. Além da necessária atenção para que você também não se coloque em uma situação de risco de atropelamento,  o animal pode estar com dor, estressado e, por consequência, agressivo a ponto de tentar morder para se defender.

Se em caso de atropelamento o animal seguir em retirada evite correr atrás dele. Ele pode ter fugido por estar machucado e cada vez que se afastar mais pode agravar seus ferimentos. Neste caso o mais adequado é monitorar a localização do animal e chamar por ajuda especializada. 

Limpe as vias e faça uma mordaça 

Como falamos anteriormente: todo o cuidado é pouco. E isso inclui a saúde do cão e também a sua segurança. Se não tiver sinal de vômito, saída de sangue pela boca ou nariz ou  lesões na face, procure amordaçá-lo. Caso ele apresente vômito, sangue ou algum corpo estranho, primeiramente limpe o local e em seguida faça o procedimento da mordaça. Você pode fazer isso com um cordão de um tênis ou um pedaço de pano, por exemplo. O importante é amarrar de forma que não bloqueie  as vias respiratórias do animal.

Se houver sinais de que o cachorro continua vomitando ou expelindo  sangue pelas vias respiratórias, jamais use uma mordaça. Isso pode piorar o quadro já existente e provocar engasgos e até mesmo a morte do animal. Nas duas situações o mais importante é proteger você e a vítima. 

Improvise uma maca para transporte

Lembre-se: em um primeiro momento a vítima deve ser o menos manipulada possível, principalmente em casos de atropelamento, onde fraturas e suspeitas de hemorragias internas são frequentes. 

Para criar uma maca improvisada, verifique se a superfície em que o animal será levado vai resistir ao seu peso. Um tampo de mesa, tábua de passar, tábua grande de cortar carne ou uma estante removível, são alguns exemplos que podem ser usados e salvar a vida do animal.  

Outro ponto muito importante é verificar se a maca cabe no carro em que ele será transportado, pois a recomendação é estender completamente o animal no piso do carro. Evite colocar a vítima no banco pois qualquer movimento mais brusco pode causar um impacto e machucar ainda mais o cão. Caso não haja opção melhor, o ideal é ter alguém para segurar o animal enquanto o carro se movimenta. 

Leve com segurança a um profissional

Nesse momento cada segundo conta, mas tenha cuidado. É muito importante ter em mente que você está levando uma vítima em um veículo que não é projetado para esse tipo de emergência. Dirigir em alta velocidade e ter uma direção agressiva pode reduzir o tempo de chegada, mas ao mesmo tempo pode comprometer a saúde do animal. Por isso cautela para dar tudo certo até a chegada ao veterinário. 

Caso não saiba para  onde levar, muitas vezes o Google Maps pode te ajudar. O aplicativo da Google está presente na maioria dos celulares. Faça uma busca direta pelos termos “Hospital veterinário”,  “clínicas veterinárias 24h” ou “clínicas pet”  e com certeza o aplicativo dará o caminho mais perto e mais rápido para ajudar no resgate.

Depois do acidente

Após tudo resolvido e o animal já estiver  em fase de recuperação, é preciso encontrar o dono ou achar um lar para adoção, afinal, não basta apenas salvar e retornar nossos amigos para as ruas. Caso não seja possível acolher em casa e esperar um novo lar, é possível encontrar diversas ONGs de proteção animal que estarão prontas para acolher e encontrar um lar e dar um final feliz para essa história.

Autora: Bárbara Gomiero