Um Jardim para dizer Adeus

E se fosse possível tornar a partida do seu companheirinho canino menos dolorosa? homenagear a sua verdadeira essência, celebrar a sua vida de uma forma simples e bela?

Foi com isso em mente que as irmãs Pâmela e Rafaella decidiram criar um jardim no local onde o seu amado maltês Shizo foi enterrado, depois que uma doença cardíaca o fez partir aos 11 anos de idade. Elas dizem que ele foi um cão muito especial, porque não tinha limites para amar. Ele trazia alegria por onde passava, e elas não queriam que a sua ausência fosse sentida de uma forma ruim, mesmo sabendo da falta que fará em suas vidas daqui para frente.

E foi assim, um mês e meio depois da partida de Shizo, que nasceu o “Jardim do Shizo”: um cantinho lindo e acolhedor, com uma floreira de madeira, vasos de barro, flores, e uma plaquinha que não deixa passar despercebido o amor por aquele que partiu. O jardim demorou um pouco para ficar pronto porque a família desejava que a sua montagem fosse um processo prazeroso e bonito. Pâmela disse ao Meu Cão Velhinho que, “como esse processo envolveu toda a nossa família, tornou-se menos doloroso lidar com a perda dele, até mesmo porque esperamos para fazê-lo somente no momento em que o desespero pela perda dele havia se amenizado”.

Jardim do Shizo

Digno de homenagens, Shizo definitivamente foi um cãozinho muito amado. Ele entrou para a vida das suas mamães Pâmela e Rafaella em 2004, por um acaso do destino: o pai das meninas tinha uma agropecuária, e certa vez três filhotes de maltês foram entregues a ele como pagamento de uma dívida. Dois deles foram adotados por amigos da família, enquanto o terceiro – o Shizo – chegou para ficar.

As suas tutoras o descrevem como um cachorro “muito louquinho e feliz”, mas que não destruía as coisas dentro de casa. Por outro lado, ele fazia xixi pela casa toda: “a nossa rotina se resumia a procurar xixi dentro de casa e limpar tudo antes que a nossa mãe visse”, recordam. Quando jovem, o cãozinho costumava dormir numa peça no fundo da casa, mas, conforme a velhice foi chegando, ele se tornou cada vez mais próximo das meninas> nos últimos quatro anos, passou a dormir sempre com elas. Grande companheiro, Shizo ficou ao lado de Pâmela durante a intensa rotina de estudos da graduação e na preparação para a prova da OAB. Para comemorar a formatura, ela fez questão de levá-lo à sessão de fotos no estúdio junto com a turma toda! “A impressão que tenho é a de que ele deixou tudo pronto para que eu seguisse em frente”, conta a tutora.

Shizo - formatura

A cardiopatia de Shizo foi descoberta três anos antes da sua morte, quando ele começou a apresentar uma tosse engasgada. Alguns veterinários chegaram a sugerir pneumonia, e propor um tratamento com antibióticos, mas, após alguns exames, foi constatado o aumento no coração e na pressão sanguínea do cãozinho. Após algum tempo, ele começou a ter dores nas articulações, e precisou receber medicamentos para isso também. Os seus últimos dias foram muito difíceis para todos, pois as suas tutoras sabiam que ele as deixaria em breve. Pâmela afirma que “vê-lo ficar mais frágil, cansado e contido era triste, mas ao mesmo tempo recompensador, pois conviver com um cão idoso nos ensinou muito sobre a vida, sobre as pessoas e sobre o amor. Ele definitivamente despertou o nosso melhor”.

Quando perguntamos às irmãs o que gostariam de dizer a ele hoje, se tivessem a oportunidade, a sua resposta foi tocante: “que ele foi o amor das nossas vidas, que o amamos incondicionalmente e sempre o amaremos. E esperamos, do fundo do coração, que tenhamos correspondido às expectativas que todo cão tem de encontrar um lar para chamar de seu e uma família para chamar de sua”. Nós temos certeza de que elas corresponderam sim!

Shizo 2

Autora: Bárbara Gomiero

Formada em Medicina Veterinária pela UFPR em 2006, especialista em Clínica de Pequenos Animais. Apaixonada por cães, tem um amor especial pelos cães idosos, e trabalha para levar conhecimento e informação aos seus tutores, para que esses sejam capazes de proporcionar uma excelente qualidade de vida nessa fase tão delicada de seus cãezinhos.

Comments are closed