A Vida de Cães em Cadeiras de Rodas

Todos os cães são especiais. Mas, alguns, mais do que outros. Assim como humanos, certos cães também podem ter necessidades especiais em razão de problemas de saúde diversos – e podem até mesmo precisar de cadeiras de rodas!

Descobrir que o seu cão, que antes era ativo e alegre, não será mais capaz de andar por conta própria é algo que, sem dúvida, desestabiliza qualquer um. Sentimo-nos tristes pelo cão, certos de que ele também sofre com a perda dos movimentos. Como lidar com isso?

Passo nº 01: Não tenha pena do seu cão

A verdade é que, diferente de nós, os cães não ficam se lamentando ou remoendo o passado. É claro que, conforme o caso, pode ser que ele sinta dor (ou tenha sentido dor em algum momento no processo que o levou a perder os movimentos). Ele também certamente precisará passar por adaptações para aprender a conviver com o problema. Mas ele não ficará deprimido porque tinha uma perna que agora não tem mais, ou porque as suas patas costumavam ser “obedientes”, e agora, não se movimentam. Eles se adaptam a esse tipo de mudança com muito mais facilidade, com muito menos impacto emocional do que nós.

Por outro lado, eles também são muito sensíveis à nossa linguagem corporal e às nossas emoções. Assim, se o tutor se sente triste ou deprimido cada vez que vê o seu cão e pensa na sua nova condição, é provável que o cão também comece a ficar ansioso. Não porque perdeu os movimentos, mas porque o seu tutor não parece bem. E isso não será bom para ninguém. Por conta disso, procure ter uma atitude positiva e alegre, pelo menos quando estiver junto com o seu cão. É muito difícil esconder os seus sentimentos do seu cachorro, mas procure entender: ele precisa de ajuda para se adaptar, e não de pena.

Passo nº 02: Descubra se ele é candidato a usar uma cadeira de rodas

A cadeira de rodas pode ser uma excelente forma de se devolver mobilidade a um cão. Mas ela não é para todos. Se o cão não anda mais porque tem artrose, por exemplo, o problema dele é dor – e, nesse ponto, a cadeira não irá ajudar. Ele precisará de analgésicos, fisioterapia, e, se for o caso, pode ser levado para passear em um carrinho, mas não conseguirá usar a cadeira (veja mais dicas para cães que não andam aqui).

Já quando o problema é neurológico, ou se o cão perdeu (ou já nasceu sem) duas ou mais patas, por exemplo, a cadeira de rodas pode ser muito útil. Na maioria das vezes, cães que perderam apenas uma pata continuam caminhando sem precisar de auxílio. Converse com o seu médico veterinário para saber se a cadeirinha pode ser uma opção para o seu cão.

Passo nº 03: Escolha uma cadeira de rodas adequada para ele.

Existem diferentes modelos de cadeiras de rodas para cães:

  • Com rodas atrás, para cães que perderam os movimentos dos (ou os) membros posteriores;

Imagem: Top Dog Tips

 

  • Com rodas na frente, para cães que perderam os membros anteriores;

  • Com 4 rodas, para cães tetraplégicos, com fraqueza nos membros, ou problemas de equilíbrio.

É possível mandar fazer a cadeira de rodas de acordo com o tamanho do cão em empresas especializadas. Algumas são ajustáveis e já vêm em tamanhos pré-definidos, mas estas são mais difíceis de encontrar no Brasil. O ajuste perfeito é muito importante para que fique confortável para o cão, sem prejudicar as articulações e movimentos que lhe restam.

Passo nº 04: Ensine o seu cão a usar a cadeira de rodas

O processo de treinamento deve ser positivo, e pode incluir petiscos para ajudar. É interessante fazer em um horário em que o cão esteja com um pouco de fome, para deixá-lo mais estimulado a ganhar as recompensas. Só tome o cuidado de oferecer petiscos que não farão mal a ele, caso tenha alguma restrição alimentar, e para não exagerar na quantidade: a última coisa de que o seu cão precisa é ficar com excesso de peso enquanto aprende a se locomover.

Cada sessão de treinamento deve ser curta, de apenas 5 a 10 minutos, e deve ser repetida várias vezes ao dia.

Comece permitindo que o cão veja, cheire e toque a cadeira de rodas, simplesmente permitindo que ele se acostume à sua presença. Em seguida, prenda a cadeira ao cão, conforme as instruções do fabricante e o modelo utilizado. Dê um tempo para que ele se ajuste a esta nova posição – mais uma vez, permita que ele simplesmente cheire, olhe, e se adapte à presença da cadeira (agora, presa ao seu corpo), e recompense-o se apresentar um comportamento calmo e tranquilo.

Assim que ele parecer confortável com a cadeira, instigue-o a caminhar para frente, oferecendo um petisco. Mesmo que ele dê apenas um ou dois passos, recompense-o pelo seu esforço e aprendizado.

Aos poucos, o uso da cadeira se tornará mais natural para ele, e o cão poderá ter uma vida feliz e tranquila com a sua cadeirinha.

Cuidados de manutenção

Mesmo que já esteja bem adaptado à cadeira de rodas, um cão não deve passar mais do que 2 horas de cada vez preso a ela. Os cães não conseguem se deitar e relaxar completamente usando a cadeira, e devem ter períodos de descanso. Observe os sinais do seu cão para saber se ele já está cansado e precisa de uma pausa.

Enquanto estiver fora de casa, deixe o cão em um local confortável, sem a cadeira de rodas. Ele provavelmente passará a maior parte do tempo dormindo. Não o deixe com a cadeira sem supervisão, nem por pouco tempo, pois ele pode acabar ficando preso em algum lugar, ou até mesmo cair, e ficar impossibilitado de se levantar novamente.

 Quais são os benefícios da cadeira de rodas para cães?

O benefício nº 01 sem dúvida é qualidade de vida. Os cães gostam de se movimentar, de explorar ambientes, sentir odores, e brincar. A cadeira de rodas pode devolver tudo isso a um cão que perdeu a capacidade de andar.

A cadeira de rodas também permite que o cão se exercite, o que melhora a sua circulação sanguínea e previne o excesso de peso. A obesidade pode levar à formação de escaras de decúbito se o cão ficar parado o dia todo, e piorar ainda mais a (já pequena) mobilidade do cão. Além disso, cães que ainda tenham controle sobre os esfíncteres podem aproveitar o tempo em que estiverem usando a cadeira de rodas para fazerem as suas necessidades com muito mais conforto e higiene do que teriam se tivessem que fazer deitados.

Mesmo alguns cães que ainda tenham a possibilidade de recuperar os movimentos podem se beneficiar do uso da cadeira de rodas, pois ela mantém o animal ativo e permite que movimente as patas que estiverem com lesões sem forçá-las. Isso permite que elas se fortaleçam e tenham uma recuperação muito mais rápida do que teriam se o cão simplesmente ficasse deitado o dia todo.

Se o seu cão for candidato a usar uma cadeira de rodas, não deixe de tentar! Ele certamente irá te agradecer muito!

 

Autora: Bárbara Gomiero

Formada em Medicina Veterinária pela UFPR em 2006, especialista em Clínica de Pequenos Animais. Apaixonada por cães, tem um amor especial pelos cães idosos, e trabalha para levar conhecimento e informação aos seus tutores, para que esses sejam capazes de proporcionar uma excelente qualidade de vida nessa fase tão delicada de seus cãezinhos.