Cesar Millan e o Envelhecimento de Daddy

Os Momentos de Velhice de Daddy

Quando entrevistamos Cesar sobre os anos de velhice do Daddy, o seu profundo laço emocional com o seu pit bull de 14 anos ficou claro. Ele compartilhou seus pensamentos a respeito do atual estado de saúde de Daddy, o impacto de Junior na sua saúde mental, detalhes sobre a sua forma especial de rolar sobre a grama, e como ele próprio lida com o envelhecimento de Daddy.

 

Cesar Millan e Daddy

 

“Daddy está tendo mais e mais momentos de velhice. As vezes ele tem dificuldade para se levantar, precisa fazer as necessidades com mais frequência, e não mais suporta o frio tão bem quanto costumava. Ele não ouve muito bem, o que é algo que já vem acontecendo há algum tempo. A sua visão também está debilitada. Ele precisa abrir muito os olhos para enxergar. Eles quase parecem olhos de gato!

Mas o apetite dele está ótimo, e o seu olfato permanece fantástico. Quando saímos para passear, ele passa mais tempo do que nunca cheirando o chão. Costumava ser: cheirar a flor, urinar nela; cheirar a flor, urinar nela. Agora, ele chega a passar 5 minutos sentindo o cheiro de uma mesma flor.

Nós ainda o levamos para as caminhadas em matilha, mas, enquanto antes ele costumava ficar a menos de um metro de distância de mim – porque Daddy sempre foi um cão de média energia -, agora ele fica mais de 6 metros para trás. Depois de aproximadamente 30 minutos, ele já está muito cansado, e alguém o leva de volta para o carro para descansar, enquanto os cães mais jovens continuam a caminhada mais longa.

Daddy tem se beneficiado muito com a acupuntura e tratamentos homeopáticos para o estresse. Na minha atual carreira, eu preciso viajar muito. Quando eu estou fora, ele acaba ficando desorientado e triste, o que o deixa tenso. Eu fico feliz que Junior tenha entrado para a vida dele. Tem sido muito útil! Ele mantém Daddy alerta e jovem: “vamos, me corrija! Vamos, me diga para não fazer isso!”

Depois da entrevista de hoje, nós vamos dar um banho no Daddy e limpar os dentes dele. Depois, nós vamos para o local favorito dele no parque. Ele adora rolar na grama – muitos cães gostam – mas ele tem um jeito especial de fazer isso. Ele encontra o lugar mais alto, e depois rola de costas. Vai escorregando até embaixo. Depois, ele volta para fazer a mesma coisa de novo e de novo. Ele não faz isso na neve, mas adora fazer na grama. E claro, ele gosta de fazer isso logo depois do banho, o que eu até compreendo, mas ao mesmo tempo, é tipo, aaah, Daddy! Acabei de te dar banho!

 

Daddy - envelhecimento

 

Depois disso, ele sabe que vou dar a ele um bom “meaty bone” , bem suculento. Ele simplesmente sabe. Ele vai para o lugar dele, como quem diz “esse é o próximo passo”. Ele sabe exatamente o que eu vou fazer. Ele simplesmente me conhece.

Daddy sempre foi muito dócil. Muitos cães idosos ficam irritados quando alguém acidentalmente esbarra neles de uma forma que machuque. Mas Daddy simplesmente não tem o ímpeto de responder com uma mordida, o que é pouco comum.

O Daddy tem sido o avô dos meus filhos. Ele me ajudou a cria-los. Nós não costumamos falar muito sobre a morte. No momento, estamos fazendo alguns segmentos de “O Encantador de Cães” sobre deixar partir. É muito difícil ouvir isso, porque você precisa cair na real. Assistir alguém tão incrível quanto o Daddy envelhecer – é doloroso demais só de pensar no assunto. Mas eu não quero falar sobre isso perto dele, porque ele vai pensar “por que você está preocupado? eu ainda estou aqui!” Mas, como humanos, nós antecipamos as coisas, e nos tornamos emotivos nas horas erradas. É claro, cães têm emoções, mas eles não ficam emotivos antes que as coisas aconteçam. Por isso, não vou fazer isso na frente dele.

TRADUÇÃO LIVRE DE ARTIGO RETIRADO DO SITE OFICIAL DO CESAR MILLAN, PUBLICADO EM 22/07/2011

Artigo original em: https://www.cesarsway.com/dog-care/senior-dogs/daddys-senior-moments

Nota: Daddy faleceu em 19 de fevereiro de 2010, deixando muitas memórias boas.

Autora: Bárbara Gomiero

Formada em Medicina Veterinária pela UFPR em 2006, especialista em Clínica de Pequenos Animais. Apaixonada por cães, tem um amor especial pelos cães idosos, e trabalha para levar conhecimento e informação aos seus tutores, para que esses sejam capazes de proporcionar uma excelente qualidade de vida nessa fase tão delicada de seus cãezinhos.