4 motivos por que o seu cão pode estar latindo em excesso - Meu Cão Velhinho

4 motivos por que o seu cão pode estar latindo em excesso

Latir é um comportamento normal dos cães, e é um importante meio de comunicação para eles. Mas, em excesso, os latidos podem incomodar bastante os tutores e seus vizinhos, principalmente se isso ocorrer durante a noite, ou se houver pessoas por perto que precisam de repouso, como bebês, idosos, e convalescentes. Veja alguns motivos por que o seu cão pode estar latindo tanto, e como lidar com eles:

    1. Tédio – talvez o motivo mais comum. A maioria das raças de cães foram desenvolvidas para desempenhar trabalhos específicos, tais como caça, procura, ou proteção. Ficar em casa o dia inteiro olhando para as paredes não é nada desafiador, e o cão acaba usando os latidos como uma forma de descarregar a sua frustração e gastar a energia acumulada. A solução?

      • Verifique se o seu cão está sendo exercitado adequadamente. Se você não tem o hábito de levá-lo para passear diariamente, comece agora. Se você já passeia com ele, mas sente que ele ainda tem muita energia, aumente o desafio: você pode aumentar o tempo da caminhada (se isso for possível), dar uma mochila para ele carregar (há mochilas próprias para cães; o peso deve ser proporcional ao peso do cão, para não ferir a coluna dele), correr, andar de bicicleta ou skate com ele ao seu lado, subir ladeiras, etc. Se você passa o dia inteiro fora e não consegue levá-lo para passear, considere a possibilidade de contratar alguém para fazer isso enquanto você trabalha (ou delegar a função para outra pessoa da casa). Outra opção, ainda, é levá-lo a uma creche de cães (“day care”) duas ou três vezes por semana.

      • Existem brinquedos interativos para cães que ajudam a mantê-los ocupados por bastante tempo. Não substituem os passeios, mas o cão ficará menos entediado e não ficará latindo enquanto estiver brincando.

        Cão latindo

        Cão latindo
        Imagem: Flickr – Kinjeng Submitter

         

    2. Ansiedade de separação – o tutor pode nem perceber que o cão late em excesso, já que isto costuma ocorrer na sua ausência. Mas é comum também os cães com ansiedade de separação latirem quando percebem que seus tutores estão saindo sem eles, ou estarem latindo quando a pessoa chega em casa. Já os vizinhos, estes provavelmente se incomodam bastante. E o cão também, pode ter certeza. O cão com ansiedade de separação sofre, e, no longo prazo, isto pode ser até prejudicial à sua saúde. Por ser um problema mais complexo, geralmente é preciso o auxílio de um especialista em comportamento canino ou adestrador para corrigi-lo.
    3. Território, medo ou alarme – o cão late porque percebe uma ameaça a si próprio, ao seu território, ou à sua família. A “ameaça” pode ser real ou não, e pode ser desde um passarinho voando até uma pessoa passando na rua, outros cães, etc. Para minimizar o problema, você pode limitar o campo de visão dele – por exemplo, uma cerca fechada de madeira ou um muro ao invés de uma tela ao redor da casa; ou, se ele fica dentro de casa, é possível usar cortinas nas janelas. Se o cão tiver medo de sons altos, como trovões e fogos de artifício, é possível usar um “som branco” ou música para ajudar a neutralizar os barulhos assustadores. Estas opções talvez “mascarem” o problema, mas reduzirão o estresse para você, os seus vizinhos, e para o próprio cão. Para solucionar de fato o problema, pode ser preciso dessensibilizar o cão aos estímulos que ele considera ameaçadores, o que, em geral, deve ser feito com o auxílio de um profissional (reforço positivo pode e deve ser usado neste processo, mas é preciso tomar cuidado para não reforçar o medo e a ansiedade, ao invés de mostrar ao cão que aquele estímulo não é nocivo).
    4. Excitação, brincadeiras, e atenção – o cão late quando toca a campainha, quando uma pessoa chega em casa, ou durante as brincadeiras. Ele pode latir também simplesmente para conseguir a atenção do seu tutor. O melhor a fazer é ignorar, e esperar até que o cão se acalme completamente antes de dar atenção a ele. No caso da campainha, é possível treiná-lo para aguardar sentado e quieto a uma certa distância da porta, recompensando-o pelo bom comportamento. Assim, ele latirá menos e também não perturbará os visitantes que estejam entrando em casa (ainda que isso não se aplique a todas as pessoas, muita gente não gosta de entrar numa casa com um cachorro latindo ou pulando em cima delas, principalmente se o animal for grande).

      cão excitado

      Imagem: Paw Province

Mais 10 dicas valiosas para acabar com os latidos excessivos:

    1. Se o seu cão late muito e incomoda seus vizinhos, converse com eles calmamente e peça que anotem os horários/ situações em que ele late mais. Isso pode te ajudar a desenvolver uma estratégia, além de mostrar aos vizinhos que você está preocupado em solucionar o problema.

    2. Ao tentar controlar o seu cão que está latindo, respire fundo e aja de forma calma e assertiva. Gritar com ele apenas fará com que ele lata mais.

    3. Ensine o comando “quieto”.

    4. Seja consistente, e não estimule o seu cão a latir (por exemplo, ficar perguntando num tom animado ou excitado “quem será?” quando alguém toca a campainha, ou instigar o cão a latir contra certas pessoas – ele irá achar que pode latir para todas).

    5. Quando o cão estiver latindo, dê a ele um comando que seja incompatível com os latidos (por exemplo, vá para a caminha).

    6. Evite o uso de coleiras anti-latidos, que são ineficazes em muitos casos, podem irritar o cão ainda mais, e torná-lo agressivo.

    7. Recompense o silêncio e o bom comportamento, principalmente numa situação em que o cão normalmente latiria.

    8. Não puna um cão que está com medo ou ansiedade por separação.

    9. Não use mordaças (ou pior: improvise), elas podem ferir o cão.

    10. Se tiver dificuldades, chame um profissional.

Autora: Bárbara Gomiero

Formada em Medicina Veterinária pela UFPR em 2006, CRMV/PR 7307, especialista em Clínica de Pequenos Animais. Apaixonada por cães, tem um amor especial pelos cães idosos, e trabalha para levar conhecimento e informação aos seus tutores, para que esses sejam capazes de proporcionar uma excelente qualidade de vida nessa fase tão delicada de seus cãezinhos.