O que muda na dieta?

        Como regra geral, adota-se como padrão a mudança da dieta de adulto para a de idoso a partir dos 7 anos de idade do cão, mas isso pode variar um pouco conforme o porte do animal. Existem linhas de ração super premium que são divididas conforme o porte do cão, e que recomendam, por exemplo:

– Para cães pequenosWestie pedindo comida - dieta cães idosos (até 10Kg): a partir de 8 anos;
– Para cães médios (de 11 a 25Kg): a partir de 7 anos;
– Para cães grandes (26 a 44Kg): a partir de 5 anos;
– Para cães gigantes (acima de 45Kg): não há diferenciação.

Estas diferenças de idade em relação ao porte são devidas ao fato de que, enquanto os cães pequenos atingem a idade adulta mais cedo e a maturidade mais tarde, os cães maiores demoram mais para se tornarem adultos, mas se tornam velhinhos mais cedo. No caso dos cães gigantes, há marcas de ração que optam por não fazer diferenciação entre a formulação de adultos e de idosos por um simples motivo: eles começam a ter problemas ditos “da idade” muito cedo, e por isso a ração de adultos para estas raças já é direcionada a suprir todas as necessidades de um cão idoso.

Mas muitas pessoas perguntam: por que existe ração específica para idosos?

Antes de mais nada, é preciso compreendermos que idade não é doença. Muitos proprietários resistem a modificar a dieta dos seus cães baseados no simples fato de que eles estão saudáveis. Ter um cão idoso não significa ter um cão doente, mas simplesmente um animal que já está com a idade mais avançada, e que precisa de alguns pequenos cuidados para que permaneça saudável.

Assim como acontece com humanos, as necessidades nutricionais dos cães velhinhos também são diferente das dos adultos jovens. Um dos primeiros fatores é a redução do metabolismo, e a diminuição das atividades. Os cães idosos costumam ser menos ativos do que os jovens, e por isso as suas necessidades calóricas acabam ficando reduzidas. Ao fornecer uma dieta de adulto a um cão idoso, estamos favorecendo a obesidade – que é um problema tão grave para os cães quanto é para a gente.

Além do menor teor energético, a dieta do idoso também deve focar a prevenção e o retardo das doenças crônico-degenerativas. Baixos teores de sódio e gordura reduzem os problemas cardíacos, e a adição de substâncias condroprotetoras protege as articulações de problemas como artrose e artrite. Vitaminas retardam o processo do envelhecimento, e podem ajudar a retardar a progressão de problemas oculares e auditivos.

O uso de probióticos mantém a flora intestinal saudável, e as proteínas de altíssima qualidade propiciam um melhor aproveitamento dos nutrientes. Com todos esses cuidados, o seu idosinho conseguirá se manter mais saudável por muito mais tempo!

As dietas para idosos atualmente podem ser encontradas em formulações de rações super premium, na versão seca, e também podem ser feitas em casa. A dieta feita em casa pode ser crua ou cozida. Caso deseje oferecer uma dieta feita em casa (crua ou cozida) para o seu animal, busque sempre a orientação de um profissional. No site nutricao.pet/ , é possível obter essa orientação de forma segura e personalizada para o seu cão, diretamente com a Dra. Bárbara.

Autora: Bárbara Gomiero

Formada em Medicina Veterinária pela UFPR em 2006, especialista em Clínica de Pequenos Animais. Apaixonada por cães, tem um amor especial pelos cães idosos, e trabalha para levar conhecimento e informação aos seus tutores, para que esses sejam capazes de proporcionar uma excelente qualidade de vida nessa fase tão delicada de seus cãezinhos.