Úlcera de Córnea em Cães - Meu Cão Velhinho

Úlcera de Córnea em Cães

Assim como os humanos, os olhos dos cães também são bem sensíveis. Qualquer coisa que encoste neles, qualquer pequena irritação, pode causar bastante dor e desconforto. Uma causa comum de dor ocular nos olhos dos cães são as úlceras de córnea.

O que é úlcera de córnea?

Antes de mais nada, vamos entender o que é a córnea: a córnea é a parte transparente do olho, que recobre a íris (parte que define a cor dos olhos) e a pupila (o “pontinho preto” no meio). Ela permite a passagem da luz para dentro dos olhos, e serve como uma barreira que os protege contra infecções e outras possíveis agressões que possam afetar a visão.

A córnea é a parte transparente do olho do cão, que permite a passagem de luz e protege o olho contra agressões externas.
Imagem:Veterinária Atual

A úlcera de córnea nada mais é do que uma ferida profunda na córnea, que pode ser um arranhão, uma punção, ou outro tipo de lesão. Como a córnea é totalmente transparente, as úlceras normalmente são difíceis de serem vistas sem o auxílio de corantes, mas em casos mais avançados, pode ser possível observar uma ou mais pequenas depressões nos olhos do cão. Já em situações extremas, pode ocorrer a chamada “descemetocele”, que é o extravasamento de líquidos de dentro dos olhos, podendo levar ao colapso do globo ocular e a perda do olho.

Por que ela acontece?

A causa mais comum de úlceras de córneas em cães é o trauma. Ou seja, a maioria dos casos está relacionada a agressões físicas ao olho, não necessariamente propositais. Ciscos que caiam nos olhos, partículas de poeira, pedras, pontas de galho, agulhas, e mesmo batidas acidentais em paredes podem levar à formação de úlceras de córnea. Este tipo de problema é especialmente comum em cães das raças “braquicefálicas” (de focinho achatado), devido aos seus característicos olhos saltados, que ficam mais expostos às agressões ambientais do que os dos outros cães.

Mas podem haver outras situações: o olho seco também é uma causa comum. O olho seco é o ressecamento dos olhos, que pode acontecer quando a produção de lágrimas é insuficiente, ou então, se o cão sofrer com um problema chamado “lagoftalmia”. A lagoftalmia é uma condição em que o cão não consegue fechar completamente as pálpebras, de modo que uma pequena porção dos olhos está sempre exposta ao ambiente, ficando ressecada. Novamente, os cães braquicefálicos são os animais mais propensos a isso, já que os seus olhos saltados podem ser desproporcionalmente grandes para que as pálpebras consigam se fechar corretamente.

Queimaduras, infecções, entrópio (quando a pálpebra se dobra para dentro), paralisia do nervo facial, e mesmo doenças endócrinas, como diabetes, hipotireoidismo e síndrome de cushing, também podem levar à ocorrência de úlceras.

Como saber se o meu cachorro tem úlcera de córnea?

As úlceras de córnea são bem dolorosas, e o cão pode demonstrar o seu desconforto piscando os olhos com frequência, ou mantendo-os fechados, esfregando o focinho em superfícies (como cantos de sofá ou em paredes), ou passando as patas sobre os olhos.

Os olhos podem parecer avermelhados, com bastante secreção, e recoberto por um “filme” esbranquiçado. Como já mencionado anteriormente, em casos mais avançados pode ser possível observar um ou mais pequenos “buracos” sobre a córnea do cão, ou até mesmo o extravasamento de líquidos através deles.

O teste mais usado pelos médicos veterinários para diagnosticar a úlcera de córnea é muito simples, e requer apenas o uso de um colírio especial. Este colírio, chamado “fluoresceína”, é um corante que parece alaranjado, mas, ao entrar em contato com os olhos, marca de verde eventuais úlceras. Dessa forma, se, após a aplicação do colírio, o cão parecer ter manchas verdes nos olhos, está constatada a presença de úlceras.

Úlcera de córnea destacada pelo colírio fluoresceína (verde).
Imagem: Cavalier Health

Como tratar?

As úlceras de córnea são tratadas primeiramente com colírios com antibióticos e outros princípios ativos que ajudam na regeneração do olho, e “que substituem” as lágrimas. Se a úlcera for muito profunda, e/ou causada por algum objeto perfurocortante, então uma cirurgia pode ser necessária.

Se o cão esfregar muito os olhos, ou passar as patas sobre eles com frequência, um colar elisabetano (“abajur”)  pode ser indicado, para impedir que o animal atrapalhe a sua própria recuperação.

Como sempre, vale a máxima: quanto antes o problema for detectado, melhores são as chances de recuperação. Por isso, se notar que o olho do seu cão parece diferente de alguma forma, ou que ele parece estar sentindo do ou desconforto, não perca tempo e leve ao veterinário!

Autora: Bárbara Gomiero

Formada em Medicina Veterinária pela UFPR em 2006, CRMV/PR 7307, especialista em Clínica de Pequenos Animais. Apaixonada por cães, tem um amor especial pelos cães idosos, e trabalha para levar conhecimento e informação aos seus tutores, para que esses sejam capazes de proporcionar uma excelente qualidade de vida nessa fase tão delicada de seus cãezinhos.

Comments are closed