Diarreia ou Vômito Persistentes? Pode Ser um Tumor (Câncer de Intestino)

Sintomas aparentemente pouco preocupantes, como diarreia ou vômito, podem significar algo muito mais sério. Silenciosos porém agressivos, os tumores intestinais podem ser difíceis de serem diagnosticados.

Os tumores intestinais representam aproximadamente 10% dos tumores em cães. Eles afetam principalmente cães de meia-idade, sendo que os Pastores Alemães e Collies parecem ser especialmente suscetíveis. Diferentes tipos de tumores podem acometer os intestinos, mas os três mais comuns são: o adenocarcinoma, o linfoma, e o leiomiossarcoma. Apesar de haver algumas diferenças quanto à forma como atingem o organismo, estes três tumores são malignos e podem gerar metástases em fígado, linfonodos, pulmões, e outros órgãos. De fato, 90% dos tumores intestinais são malignos.

Um cão com tumores intestinais normalmente apresenta um quadro bem inespecífico, e que pode ser facilmente confundido com inúmeras outras doenças. A diarreia é o sinal mais comum, mas, como ela também pode ser causada por uma infinidade de outros problemas que vão desde vermes intestinais a problemas de absorção, não raro os animais acabam recebendo tratamentos para outras doenças… e o que chama a atenção é que o tratamento não funciona. O tutor pode chegar à conclusão até mesmo de que o seu cão “é assim mesmo”, e deixar de se preocupar com o que vem afligindo o seu animal.

A presença de sangue nas fezes e o tenesmo (faz força para defecar, mas não sai nada) também podem acontecer. O cão para de se alimentar, ou se alimenta muito pouco (geralmente, o animal acaba sendo chamado de “exigente” ou “fresco”, porque come apenas determinados alimentos), e emagrece. Vômitos são mais comuns se o tumor for no estômago. Complicações mais sérias, como a obstrução do intestino pelo tumor, peritonites (infecção da camada que reveste os órgãos dentro do abdome), e até mesmo a ruptura do intestino também podem acontecer.

Se ocorrer peritonite, e/ou se o intestino romper, o cão  tem febre e sente muita dor, e então ele pode chorar, evitar sentar, ou ficar em “posição de prece” (com o bumbum para cima, como na foto abaixo). Esta posição indica claro desconforto abdominal no cão, e está relacionada não só a peritonites, como também a outras condições graves e dolorosas, como pancreatite, torção gástrica e envenenamentos. Portanto, independente da causa, esta posição é um pedido de ajuda, leve o seu cão ao veterinário!

Cão em posição de prece. Tumores intestinais

Cão em Posição de Prece ou Oração indica dor abdominal.
Imagem: Today’s Veterinary Technician

Mas se os tumores intestinais são tão fáceis de serem confundidos com outras doenças, como saber se o meu cão tem?

Ao receber um cão com histórico de diarreia persistente, o médico veterinário deverá pedir alguns exames, que irão ajudar a esclarecer o caso. No exame de sangue, anemia é um achado comum. Algumas alterações típicas de doenças renais e hepáticas também podem aparecer, além de, em alguns casos, aumento das células de defesa.

Um exame de fezes é primordial. Ele irá detectar a eventual presença de parasitas intestinais, assim como traços de sangue que podem não ser visíveis a olho nu. Um exame de fezes mais completo também é capaz de informar se o animal tem problemas de absorção, um outro diagnóstico diferencial importante.

Com uma ultrassonografia, é possível avaliar as paredes do intestino e outros órgãos abdominais, como o estômago, os rins, o baço e o fígado. Este exame pode apontar a localização de tumores e também de metástases que não sejam muito pequenas.

Num animal com suspeita de câncer, radiografias também são importantes. Uma radiografia do abdome pode ajudar a detectar tumores; e, no tórax, é sempre fundamental procurar por metástases pulmonares.

Endoscopias também podem ser usadas, se os demais métodos não fornecerem informações o suficiente; e, por último, como recurso mais extremo, temos ainda a opção de se fazer uma laparotomia exploratória, que nada mais é do que uma cirurgia com a finalidade de se examinar o animal por dentro. Caso na laparotomia exploratória sejam encontrados tumores que possam ser removidos, a remoção já é feita no ato.

Qual é o Tratamento?

O tratamento para os tumores intestinais é a cirurgia. Uma das formas possíveis de linfoma intestinal não tem como ser operada, pois ela se difunde por grandes extensões, mas os demais tipos de tumor intestinal, em geral, podem ser operados. A cirurgia tem riscos, como de infecção generalizada e até mesmo ruptura do intestino, já que ele já está bem fragilizado por conta do(s) tumor(es).

Há pouca evidência de que a quimioterapia traga algum benefício, mas estudos vêm sendo feitos neste sentido. A radioterapia não costuma ser usada para tumores intestinais.

Por fim, o controle da dor é bem importante, já que esta é uma condição dolorosa.

E o Prognóstico?

O prognóstico vai depender do tipo de tumor encontrado, e do momento em que for feita a cirurgia. Quanto mais cedo o animal for operado, melhor o seu prognóstico.

Alguns tipos de câncer intestinal podem ser bem agressivos. Um exemplo disso é o adenocarcinoma de intestino delgado, cuja sobrevida média a partir do diagnóstico é de apenas 12 dias, se não for feita a cirurgia – e, com a cirurgia, esta sobrevida é estendida para aproximadamente 4 meses.  Por outro lado, cães com leiomiossarcoma têm uma sobrevida média de 8 meses a dois anos, se forem operados. Geralmente, você só saberá com certeza qual é o tumor do seu cão após o resultado da biópsia – ou seja, após a cirurgia.

Autora: Bárbara Gomiero

Formada em Medicina Veterinária pela UFPR em 2006, especialista em Clínica de Pequenos Animais. Apaixonada por cães, tem um amor especial pelos cães idosos, e trabalha para levar conhecimento e informação aos seus tutores, para que esses sejam capazes de proporcionar uma excelente qualidade de vida nessa fase tão delicada de seus cãezinhos.

Comments are closed