Como fazer um repelente natural para proteger o seu cão contra o Aedes aegypti

 

Em meio a um surto nacional de Dengue, Zika e Chicungunya, muitos ficam na dúvida: e o meu cão, está em risco? pois bem, cachorro não pega estas doenças, mas ele pode sim adoecer se for picado pelo Aedes aegypti – o tão famoso mosquito responsável por disseminar estas epidemias. Além destas doenças de humanos, o mosquito também pode transmitir o chamado “verme do coração” (nome científico: Dirofilaria immitis). Apesar de pouco comum, este verme pode eventualmente afetar humanos também.

O verme do coração, como o nome já diz, é um verme que se aloja no coração dos cães. Os seus efeitos demoram bastante para aparecer, mas, quando aparecem, podem ser bem graves. Os vermes podem literalmente tomar conta do coração, ocupando-o por completo. As formas mais jovens podem ficar na circulação, e formar êmbolos ou trombos, causando sérios problemas circulatórios. É possível tratar as infecções em estágios inciais, mas o vermífugo deve ser específico para isso (não é qualquer vermífugo que funciona) – e raramente esta doença é identificada em estágios iniciais, o que dificulta o tratamento. Quando o quadro está mais avançado, o tratamento é possível, mas ele pode ser até perigoso: os vermes adultos que estavam no coração podem ir para a circulação, causando embolia pulmonar e trombose, e, consequentemente, paralisias e até a morte.

Vermes adultos em coração de cão. Imagem: Kritter Keepers

Vermes adultos em coração de cão.
Imagem: Kritter Keepers

 

Outra doença transmitida por mosquitos (outro tipo de mosquito) é a Leishmaniose. Falaremos mais detalhadamente sobre ela em outro artigo, mas, resumidamente, é uma doença bem séria, e que pode inclusive passar para humanos. Apesar de inúmeras controvérsias, o Ministério da Saúde recomenda a eutanásia de cães afetados, como forma de controle da leishmaniose.

A melhor solução? como sempre, é a prevenção! Enquanto não conseguimos nos livrar por completo dos mosquitos, podemos nos proteger deles com o uso de repelentes. Então, para ajudá-los a proteger os seus peludos, vai abaixo uma receitinha bem fácil de repelente caseiro que já testamos e aprovamos! E a boa notícia: além de cheiroso, este repelente natural também pode ser usado em humanos 😉

INGREDIENTES

  • 500 mL de álcool
  • 10g de cravos
  • 100  mL de óleo para bebês ou óleo de amêndoas

MODO DE PREPARO

Coloque o cravo dentro do álcool em um recipiente fechado (para o álcool não evaporar), e deixe curando por 3 a 4 dias. Duas ou três vezes ao dia, aproximadamente, agite o recipiente para misturar. Ao final do período, acrescente o óleo de bebê na mistura, e pronto!

OBSERVAÇÕES IMPORTANTES

Uma garrafinha de água mineral ou a própria embalagem do álcool servem como ótimos recipientes para o preparo do repelente.

O óleo para bebês não é obrigatório. Ele serve para hidratar a pele, compensando o efeito “secante” do álcool. É interessante colocar o óleo principalmente se for usar em humanos, mas cães muito peludos podem ficar com a pelagem um pouco oleosa – neste caso, dispense o óleo.

Você pode usar este repelente na casinha e almofadas do seu cão, ou até mesmo na sua casa. Basta preparar a mistura sem o óleo e colocar num borrifador. Se o seu cão usa casinha, é bem importante fazer isso, já que os mosquitos adoram ambientes escuros e fresquinhos assim.

mosquito Aedes aegypti

Mosquito Aedes aegypti
Imagem: Wikimedia

Quando a mistura ficar pronta, você pode retirar os cravos ou não. Se eles ficarem lá, o repelente poderá ficar um pouco mais forte ao longo do tempo, o que não é necessariamente ruim. Mas, se for colocar o repelente num borrifador, os cravos podem eventualmente obstruir o cano e atrapalhar o seu uso.

Autora: Bárbara Gomiero

Formada em Medicina Veterinária pela UFPR em 2006, especialista em Clínica de Pequenos Animais. Apaixonada por cães, tem um amor especial pelos cães idosos, e trabalha para levar conhecimento e informação aos seus tutores, para que esses sejam capazes de proporcionar uma excelente qualidade de vida nessa fase tão delicada de seus cãezinhos.

Comments are closed