Cães com pouca visão são mais felizes do que os cegos? - Meu Cão Velhinho

Cães com pouca visão são mais felizes do que os cegos?

Cada tipo de deficiência visual traz diferentes dificuldades para o cão.

Problemas oculares, tais como visão unilateral, ambliopia (baixa acuidade visual), cegueira total, e o processo de perda de visão produzem medos diferentes em cães.

Cães com visão em apenas um olho não conseguem detectar objetos do lado do olho com perda de visão. Então eles sentem que objetos simplesmente “brotam do nada”, e se assustam. Eles podem se aproximar demais de outros cães sem perceberem. E é difícil para eles medirem as distâncias em que estão outros cães e pessoas. É natural latir, dar passos para trás, e rosnar em surpresa e alarme.

cão cego

Cães com pouca visão enxergam os “vultos” dos objetos. Nós podemos parecer como fantasmas. Eles não conseguem identificar o que é o objeto, mas ele mesmo assim se aproxima. É como um filme assustador! Mesmo que eles consigam identificar o objeto como um cão ou pessoa, eles não conseguem compreender totalmente as expressões e linguagem corporal da pessoa ou do cão. Então eles têm uma grande dificuldade em saber quais são os seus sentimentos, e o objetivo da aproximação. Um cão com pouca visão não consegue saber se a pessoa se dirigindo a ele está simplesmente passando, se irá acariciá-lo ou pegá-lo no colo. Com apenas olho, é difícil medir com exatidão a distância de outros cães e pessoas. Isso pode deixar os cães ansiosos. Não é a toa que eles podem demonstrar comportamentos agressivos para se defenderem!

A primeira escolha de cães para reconhecer e identificar objetos e compreender a situação em que se encontram é o sentido da visão, e não os seus ótimos olfatos. Mesmo que os olhos não funcionem bem, o senso da visão continua sendo a sua primeira escolha. Então, enquanto o cão conseguir enxergar, mesmo que seja só um pouco, ele tentará ver, e será difícil tentar utilizar outras habilidades para substituir os olhos.

Ficar totalmente cego é bem assustador e inconveniente, pela perda da ferramenta mais importante que o cão possui para absorver informações, se manter em segurança, e se movimentar com facilidade. Mas também há um lado positivo. Cães totalmente cegos não têm escolha, exceto aprender a usar outras habilidades além do senso da visão. Eles conseguem utilizar os sentidos remanescentes com muito mais facilidade do que aqueles cães que ainda têm um pouco de visão.

Eles coletam informações com suas habilidades que ainda estão presentes, associando cada objeto com as suas características à exceção da aparência, como por exemplo, o som, a textura, o cheiro, as experiências relacionadas, e as guardam na memória. Eles conseguem criar e utilizar mapas mentais em 3D de lugares familiares, como por exemplo as suas próprias casas ou quintais, incluindo informações sobre a altura, distância e direção pelos sons, e adivinham os sentimentos de pessoas e outros cães pelas suas respirações. Se nós conseguirmos criar e oferecer um ambiente seguro para eles, eles demonstram um ótimo nível de concentração para aprender, pois não estão distraídos por estímulos visuais.

Cães nascidos sem visão não temem, ou temem pouco a cegueira, pois a sua condição corporal é normal para eles, e eles não perdem nada. Mas os outros cães ficam bem confusos e estressados pela perda da sua visão; mais ainda, se isto ocorrer de forma súbita, como por um acidente ou por degeneração retiniana aguda, a cegueira pode fazer com que os cães sintam muito medo. Quando um cão cego entra em pânico ou está sob grande estresse por medo, ele pode precisar da ajuda de medicamentos, e você deve conversar com o seu veterinário sobre isso.

cão usando óculos escuros

Os cães conseguem se adaptar à nova condição corporal e ao seu mundo sem informações visuais graças à sua grande paciência e flexibilidade, mas precisam de tempo. Nós podemos não apenas dar tempo ao tempo (simplesmente aguardar), mas também ajudar o cão cego através de treinamento com reforços positivos, exercícios e jogos, para ajudar a lembrá-los de utilizar as suas habilidades remanescentes como novas formas de fazer e conseguir o que querem, desenvolvendo-as e dando ao cão mais confiança. O treinamento com reforço positivo pode também ajudar a construir uma comunicação mas interativa e melhorar o relacionamento entre cães e seus tutores, o que os deixa mais confortáveis.

Aqueles que sentem muita pena de seus cães e focam no lado negativo tendem a fazer tudo pelos seus cães cegos. É claro, manter a saúde e a segurança dos cães é nossa tarefa mais importante. Mas ajuda demais significa roubar oportunidades de o cão cego demonstrar as suas grandes habilidades, de solucionar seus próprios problemas, e da diversão de descobrir algo novo. Estas são importantes experiências de aprendizado que aumentam o que um cão pode fazer por si próprio e constroem autoconfiança e autocontrole.

Os cães cegos perdem suas visões, mas não a sua curiosidade. Eles possuem grandes habilidades, os sentidos do olfato, tato e audição, memória, imaginação, criatividade e inteligência! Nós podemos escolher e oferecer ajuda mínima e apropriada para ajudar um cão cego a se sentir mais confortável, e melhorar a sua vida através da compreensão das suas dificuldades individuais, sentimentos, e grandes habilidades.

Este texto é uma tradução livre do blog  BlindDogTraining.com, extraído em 14/04/2015. Visite o site original para mais dicas de cuidados e treinamentos para cães cegos (em inglês).

Autora: Bárbara Gomiero

Formada em Medicina Veterinária pela UFPR em 2006, especialista em Clínica de Pequenos Animais. Apaixonada por cães, tem um amor especial pelos cães idosos, e trabalha para levar conhecimento e informação aos seus tutores, para que esses sejam capazes de proporcionar uma excelente qualidade de vida nessa fase tão delicada de seus cãezinhos.

Comments are closed