O Seu Cão Está Gordinho?

Os cachorros gordinhos são fofos, ninguém pode negar. Mas esse “excesso de gostosura” tem um preço… Assim como acontece para os humanos, o excesso de peso em cães pode ser muito prejudicial à saúde.

Qual é o problema de um cão ficar acima do peso?

A obesidade por si só é uma doença, e estima-se que já atinja cerca de um a cada três cães. Em alguns lugares do mundo, como nos Estados Unidos, esta estatística é ainda mais preocupante: mais da metade dos cães de companhia naquele país estão acima do peso.

Existem motivos para a obesidade ser considerada uma doença, e eles passam bem longe da estética. Cães que estejam com sobrepeso podem ter, entre outros, os seguintes problemas:

  • Aparecimento ou agravamento de doenças articulares;
  • Problemas na coluna;
  • Maior propensão à intermação (superaquecimento);
  • Roncos;
  • Dificuldade respiratória;
  • Pressão alta;
  • Insuficiência cardíaca;
  • Deficiências nutricionais (não é só porque um cão está acima do peso que ele estará, necessariamente, bem nutrido);
  • Colesterol elevado;
  • Intertrigo (infecção de dobras de pele).

Como sei se o meu cão está gordinho?

Uma das maiores dificuldades da obesidade em cães está na identificação do problema. Muitos tutores de cães obesos acreditam que os seus animais têm pesos totalmente saudáveis, seja porque não percebem as “gordurinhas a mais”, seja porque a variação de peso em quilogramas parece insignificante.

Analisemos a seguinte situação: Um Poodle que normalmente pesava 5Kg, quando ficou velhinho, passou a pesar 6Kg. Uma pequena variação, certo? Totalmente aceitável, não? Não! Esta variação de apenas 1Kg parece insignificante porque tendemos a pensar em parâmetros humanos. Se uma pessoa adulta ganhar um quilinho, não há nada de mais. Mas vejamos que, no caso de um cachorro pequeno, 1Kg a mais significa um aumento de nada menos que 20% do seu peso corporal! É como se uma mulher de 60Kg passasse a pesar, de repente, 72Kg! Definitivamente, não há nada de insignificante nesta mudança…

Para sabermos de forma rápida se um cão está dentro de um peso adequado ou não, existem tabelas de “escore corporal”, em que comparamos o corpo de um cão real com o cão “modelo” da tabela. Observamos, então, se as vértebras ou costelas são visíveis, o formato da cintura, entre outros parâmetros. Veja a tabela abaixo e compare-a com o seu cachorro. Se ele se parecer mais com os números 7 ou acima disso, então ele está acima do peso.

escore-de-condicao-corporal-em-caes-3

Imagem: Pets e Dicas

Como saber o peso ideal do meu cão?

Para saber de uma forma mais precisa, será necessário consultar o seu médico veterinário ou um nutricionista veterinário. Mas, genericamente falando, para cães de raça costumam haver faixas de peso consideradas “normais” conforme o padrão de cada raça. Como exemplos, podemos citar:

  • Buldogue Francês (9-12,7Kg)
  • Buldogue Inglês (18-25Kg);
  • Cocker Spaniel (10-15Kg);
  • Golden Retriever (25-29Kg fêmeas, 29-34Kg machos);
  • Labrador (29-36Kg);
  • Pastor Alemão (34-43Kg);
  • Poodle Miniatura (5-8Kg);
  • Poodle Toy (2 – 3,5Kg);
  • Pug (6-8Kg);
  • Yorkshire Terrier (2-3Kg).

Devido à alta variabilidade de tamanhos dos SRD (Sem Raça Definida), não é possível identificarmos um peso que seria considerado “padrão” para estes animais.

Como ajudar o meu cachorro a perder peso?

Idealmente, um plano de emagrecimento deve ser estabelecido junto ao seu médico veterinário ou nutricionista veterinário. No plano de emagrecimento, procura-se estabelecer como meta a perda de aproximadamente 1% do peso corporal por semana. Para isso, normalmente são combinadas estratégias de redução de calorias consumidas diariamente e de exercícios físicos.

A redução de calorias pode ser feita de duas formas: ou com alimentos menos calóricos, ou, simplesmente, reduzindo-se a porção habitual de alimento do cão. Simplesmente diminuir o tamanho das porções não costuma ser uma boa estratégia, já que corre-se o risco de que nutrientes importantes, como vitaminas, ácidos graxos e aminoácidos essenciais deixem de ser consumidos nas quantidades necessárias. Além disso, o cão pode sentir fome, causando frustração ao tutor, que acaba cedendo e fornecendo mais alimentos ou petiscos – e, assim, comprometendo toda a dieta. A recomendação é, portanto, a adoção de uma dieta com menor concentração calórica, porém nutritiva.

As rações do tipo “obesity” têm essa característica: o cão pode continuar consumindo volumes de ração muito parecidos com os que já estava acostumado, mas com bem menos calorias. Apesar da menor quantidade de calorias, estas rações são enriquecidas com vitaminas e minerais para que o animal não sofra com deficiências nutricionais. As rações “light” geralmente têm um outro objetivo, que é a manutenção do peso após a dieta, e não propriamente a perda do peso.

Dietas caseiras também podem ser excelentes aliadas na perda de peso, desde que devidamente prescritas e calculadas por um profissional. Caso contrário, o cão pode acabar comendo mais do que deveria e engordar ainda mais.

Os exercícios para cães podem ser caminhadas ou natação. Evite atividades de alto impacto articular, como as corridas, para cães obesos, pois isso pode lesar as suas articulações. Outro risco das corridas para cães obesos é a intermação (superaquecimento). A natação, quando disponível, é uma excelente atividade física com baixo impacto para as articulações, sendo especialmente recomendável para cães que estejam muito acima do peso adequado. Já as caminhadas são naturalmente apreciadas por todos os cães, sendo uma atividade prática e barata de se fazer. Respeite sempre o limite do seu cão: se ele sentir dificuldade, 5 minutos no início do programa de emagrecimento devem bastar. Neste caso, procure levá-lo algumas vezes ao dia para curtas caminhadas. Na medida do possível, procure aumentar o tempo gradualmente até que se consiga caminhar pelo menos 30-45 minutos por dia.

border-collie-nadando

A natação é um ótimo exercício, especialmente para cães com problemas articulares.
Imagem: Kimberly Reinhart em Flickr

Mesmo cães com artrose já estabelecida podem se beneficiar dos exercícios físicos, pois a movimentação das articulações ajuda a regenerá-las e a diminuir a dor. Mas, como sempre, respeite os limites do seu cão: se ele estiver com dor ou cansado, interrompa o passeio e tente novamente em outro momento.

Por que o meu cão não emagrece?

Existem diversos motivos que podem dificultar a perda de peso em cães. Uma delas é o excesso de petiscos. De nada adianta comprar uma ração “obesity”, ou cozinhar deliciosas refeições “light” para ele, e continuar dando petiscos. Certifique-se de cortar completamente os petiscos durante o período de emagrecimento, ou então de trocá-los por quantidades controladas de petiscos menos calóricos e mais saudáveis. Pedacinhos de maçã e cenoura são ótimas opções.

Mas pode ser que o problema não seja exatamente esse. Algumas doenças podem fazer com que um cão se torne obeso, e dificultar bastante a perda de peso, mesmo se ele for submetido a dietas e exercícios. Antes de iniciar um plano de emagrecimento para o seu cão, portanto, verifique se ele não tem alguma das seguintes doenças:

Se o seu cão tiver alguma das doenças listadas acima, então será preciso começar a tratá-las, para só depois se preocupar com o peso. Outros fatores que podem dificultar a perda de peso são o uso contínuo de certos medicamentos (corticoides) e a castração. Cabe observar que a castração por si só não torna um cão obeso; porém, cães castrados normalmente precisam de menos calorias do que os não castrados. Dessa forma, se um cão castrado continuar comendo exatamente a mesma quantidade que já comia antes da cirurgia, ele irá engordar.

Procure o seu médico veterinário ou um veterinário nutricionista para elaborar um plano de emagrecimento para o seu cão, caso acredite que ele está acima do peso. Assim, o seu cachorro viverá mais e melhor!

Autora: Bárbara Gomiero

Formada em Medicina Veterinária pela UFPR em 2006, especialista em Clínica de Pequenos Animais. Apaixonada por cães, tem um amor especial pelos cães idosos, e trabalha para levar conhecimento e informação aos seus tutores, para que esses sejam capazes de proporcionar uma excelente qualidade de vida nessa fase tão delicada de seus cãezinhos.