Por que ele está me ignorando? (convivendo com cães surdos) - Meu Cão Velhinho

Por que ele está me ignorando? (convivendo com cães surdos)

Você chama, e ele não vem. Dá um comando, ele ignora. Vai lá acordá-lo, ele reage agressivamente. Parece até que ele está vivendo em outro mundo! Será que o seu cachorro não quer mais saber de você? Provavelmente, não é bem esse o problema…

Os problemas

Os cães são bem resilientes, e, até mesmo quando eles têm de fato motivos para não gostarem dos seus humanos, na maioria das vezes eles continuam gostando mesmo assim. Então, as chances são que o seu cão ainda te ama, e vai continuar te amando. O fato de ele estar ignorando os seus comandos e chamados, e talvez até mesmo reagindo agressivamente quando você o acorda, podem ser sinal de que ele está ficando surdo (ou talvez, já esteja surdo).

Se um cão não ouve o seu tutor chegar em casa, não escuta o seu chamado, ou não compreende seus comandos verbais, é meio óbvio que ele não responderá de acordo com o que nós esperaríamos em circunstâncias “normais”. Mas e a agressividade que às vezes acontece? bom, aí na verdade, não estamos falando em uma agressividade “real”, mas em uma insegurança que surge no cão quando ele se dá conta que não consegue perceber o mundo ao seu redor como deveria.  Ele não consegue prever, pelos sons, que alguém está se aproximando. Ele não ouve sua voz tentando acordá-lo. O que ele sabe é que ele estava dormindo e, de repente, alguma coisa ou alguém encostou nele – e isso poderia ser uma ameaça, um ataque! Se ele estava dormindo, pode precisar de alguns segundos antes de perceber que não era mesmo uma ameaça; mas, até lá, ele pode já ter reagido de forma mais agressiva e até mordido alguém acidentalmente. Não adianta brigar, ou pensar que o seu cachorro está ficando “mau”. Ele está inseguro, e precisa de apoio.

Cão inseguro. Imagem: Bears P4ws

Cão inseguro.
Imagem: Bears P4ws

Uma das formas que alguns cães surdos encontram de se sentirem mais seguros é estarem sempre grudadinhos com os seus tutores. Sempre que possível, eles dormem encostando-se nos pés ou pernas dos seus humanos. Esta é uma forma que eles têm de se assegurarem de que eles serão alertados se você precisar se mexer ou sair, ao mesmo tempo em que se sentem protegidos – tem alguém ali para cuidar dele enquanto dorme!

O resultado disso é que não é raro problemas como a ansiedade de separação aumentar em cães que se tornam surdos. Sem terem o seu “porto seguro” por perto, eles podem ficar assustados e ansiosos.

Há cães que, ao invés de ficarem grudados em seus tutores, ficarão mais recolhidos. Em parte, isso pode ser explicado pelo simples fato de eles não saberem que os seus tutores chegaram em casa ou estão por perto – então, dormem, alheios ao resto do mundo. Por outro lado, um cão surdo que não procura muita interação com os seus humanos provavelmente tem algum outro motivo para este recolhimento, como, por exemplo, a Síndrome da Disfunção Cognitiva Canina, alguma dor ou desconforto, artrose, problemas cardíacos, entre outros. Seja como for, se o seu cão de repente passou a dormir demais e interagir menos com os seus humanos, vale a pena levá-lo ao veterinário para fazer um check up.

Alguns cães latirão menos do que antes, pois não ouvem mais os ruídos externos – como pássaros e gatos passando, ou outros cães latindo. Já outros podem passar a latir mais, ao perceberem que esta é uma forma eficaz de atrair a atenção dos seus tutores. Os latidos em si podem soar diferentes do “normal”, porque o cão não “se escuta” latindo para poder corrigir a própria entonação.

Se o cão, além de surdo, for também cego, então as formas de comunicação com ele terão que mudar por completo. A tendência é que ele fique ainda mais inseguro, e alguns ajustes podem ser necessários para manter a sua rotina. Falaremos mais sobre esta situação peculiar em um próximo artigo.

Vendo o copo “meio cheio”

O fato de o cão não ouvir tanto os barulhos externos, em algumas situações, pode ser algo positivo (pelo menos, alguma coisa boa)! Os medos de fogos de artifício e trovões tendem a diminuir, especialmente em cães que eram mais sensíveis aos sons. Trovões muito fortes, ou foguetórios mais intensos podem gerar vibrações que serão percebidas pelo cão, ainda que ele não os ouça. A reação do animal pode variar de um indivíduo para o outro, já que alguns podem se assustar com a vibração enquanto outros irão ignorá-la.

cachorro dormindo

Imagem: Swiftlo

Os latidos a menos (se for o caso) também podem ser uma coisa positiva, se o seu cão costumasse ser muito “reativo” a ruídos externos – especialmente, se latia demais a noite para gatos e outros seres noturnos. A tendência é que este problema, pelo menos, seja resolvido.

Identificando o problema

Se o seu cão parece se encaixar no perfil que descrevemos, mas você não tem certeza se ele realmente é surdo, faça um teste simples: com as mãos atrás das orelhas do cão, sem tocar nele, estale os dedos ou produza algum outro tipo de som – não precisa ser muito alto. Se o cão tiver ouvido, ele irá movimentar as orelhas ou a própria cabeça para trás, na direção do som. Se não houver qualquer reação, provavelmente ele não ouviu.

Neste mesmo teste, se você achar que o cão não reagiu ao som que você produziu, você pode tentar produzir um som um pouco mais alto – ele pode não estar completamente surdo. Observamos, entretanto, que você não deve tocar no cão, bater palmas ou fazer outros movimentos mais bruscos durante este teste. Isso porque o deslocamento do ar (“vento”) produzido pela sua movimentação pode ser suficiente para causar uma reação no cão, e você pensará que ele ouviu – quando, na verdade, ele apenas sentiu um “ventinho”. Ainda não tem certeza? peça para o seu veterinário avaliar!

Convivendo com um cachorro surdo

Ainda não se usam aparelhos auditivos para cães; e, mesmo que esta fosse uma opção, sabemos que nem mesmo para humanos os aparelhos auditivos resolvem 100% dos casos. Então, o que precisamos fazer é aprender a conviver com o problema, proporcionando uma melhor qualidade de vida para o cão surdo.

Antes de mais nada, precisamos destacar um aspecto bem importante da surdez: o seu cão pode não escutar, mas os ouvidos dele continuam lá. Então, não deixe de tratar otites “só porque ele já perdeu a audição mesmo”.  Infecções de ouvido são condições extremamente dolorosas, e que, se não tratadas, podem até mesmo causar meningite e morte. É a mesma coisa com os olhos: um cão cego com glaucoma ou olho seco precisa ser tratado, mesmo que isso não vá restabelecer a sua visão. Estes problemas também causam muita dor e sofrimento, e não devem ser ignorados. O cão continua sentindo dor.

O cão surdo não esquece os “bons modos” que já aprendeu ao longo da vida; portanto, problemas relacionados à eliminação inapropriada (xixi e/ou cocô fora do lugar), destrutividade, ou outros problemas comportamentais, como por exemplo, mexer no lixo, não devem ser atribuídos à surdez. Estes ´podem ser causados por outras doenças, como a Síndrome da Disfunção Cognitiva, Incontinência Urinária (diversas causas possíveis), Síndrome de Cushing, etc.

Já a questão do adestramento propriamente dito pode precisar de algum ajustes. Se o seu cão for adestrado, ele não “esquecerá” os comandos só porque ficou surdo; mas ele não irá responder a comandos verbais, simplesmente porque não os ouve. Neste caso, associe os comandos a gestos. Os cães prestam muita atenção à linguagem corporal dos humanos, e são plenamente capazes de compreenderem comunicação através de gestos.  Se o seu cão ainda não estiver completamente surdo, aproveite para associar os seus comandos verbais a comandos gestuais. Se ele já estiver surdo, use gestos para iniciar um novo adestramento (que certamente será mais rápido do que o primeiro, já que ele já conhece os comandos; estará apenas aprendendo uma nova forma de identificá-los). Lembre-se, o seu cão não fala e nunca falou. Se ele aprendeu a sentar sob comando não foi porque ele entende português, mas porque você um dia mostrou a ele o que ele deveria fazer quando você pronuciasse este “som”. Basta mostrar novamente.

Um ponto importante para um cão surdo – ou cego – é aumentar a sua segurança e ensiná-lo a associar o toque sempre a algo positivo. Acariciar, pegar com delicadeza, e recompensar um toque bem aceito diminuem as chances de que ele se assuste e reaja agressivamente ao ser tocado de forma inesperada. Por outro lado, o uso de punições físicas (bater, chutar, ou de qualquer outra forma de agressão) irá tornar o cão muito mais inseguro e potencialmente agressivo.

E, falando nisso, evite também surpreender o seu cão. Isso é muito importante! Ao invés de “brotar do nada” e pegar ou abraçar o seu cão, primeiro permita que ele te veja. Se ele estiver dormindo, evite acordá-lo; ou se precisar, faça-o com delicadeza. Uma boa sugestão para acordar um cão surdo é usar odores que despertem o seu interesse. Pode ser um petisco, mas uma ideia legal também é você mesmo passar a usar um perfume característico – o tempo todo, o mesmo perfume (pode ser bem suave, o olfato dos cães é bem mais sensível que o nosso). Desta forma, ele pode até não ouvi-lo chegar em casa ou se aproximar, mas sentirá o seu cheiro e saberá que você está por perto.

Assim como você deve evitar se aproximar do seu cão de modo que possa deixá-lo sobressaltado, agora mais do que nunca é importante também avisá-lo quando você vai sair de casa e deixá-lo sozinho. Se o seu cão já sofre de ansiedade de separação, isso pode parecer contra-intuitivo, mas acredite: se você não avisá-lo, a ansiedade só irá piorar. Ele ficará com medo que você simplesmente “desapareça” cada vez que ele se distrair, e ficará muito mais ansioso, tanto na sua presença quanto na sua ausência. Temos um artigo com dicas sobre este problema, mas, se sentir dificuldade para lidar com o problema, não hesite em chamar um especialista.

Por fim, não se esqueça de educar os seus filhos e visitas sobre a condição especial do seu cão. As crianças podem gostar muito de brincar e abraçar os seus cãezinhos, mas elas podem acabar sendo atacadas se surpreenderem o animal – e, mais uma vez, enfatizamos: não é porque o seu cachorro esteja ficando “mau”, ele apenas está inseguro e pode se assustar com mais facilidade. Visitas que gostem de cachorro podem querer interagir com o seu cão, e, sem querer, podem causar situações de estresse para ele. Explique como o seu cão gosta e aceita ser tocado – assim, você evita acidentes e também torna a visita/ a brincadeira com a criança muito mais prazerosa para o cão. Para facilitar, você pode também colocar nele uma bandana ou coleira que o identifique como surdo.

cão surdo com peitoral

Peitoral para cães surdos, vendida pela Amazon.com. Imagem: Amazon.com

Autora: Bárbara Gomiero

Formada em Medicina Veterinária pela UFPR em 2006, especialista em Clínica de Pequenos Animais. Apaixonada por cães, tem um amor especial pelos cães idosos, e trabalha para levar conhecimento e informação aos seus tutores, para que esses sejam capazes de proporcionar uma excelente qualidade de vida nessa fase tão delicada de seus cãezinhos.