Como Alimentar Cães Sem Dentes

Uma das dúvidas mais recorrentes entre os leitores do blog é: “o meu cão não tem dentes, e por isso não consegue comer. O que faço?”. A resposta, como tudo mais neste mundo, depende de algumas variáveis.

A Dor de Dente

Primeiro de tudo: certifique-se de que o seu cão não está sentindo dor. Se o seu cão já perdeu um ou mais dentes, isso quer dizer que quase certamente ele sofreu de doença periodontal. A doença periodontal dói, e dificilmente apenas um dente será afetado. Ela também não tem cura.

Por que estamos dizendo isso? porque os dentes do seu cão podem ter caído naturalmente, ou podem ter sido extraídos pelo médico veterinário. Se eles caíram naturalmente, o seu cão sentiu dor no processo todo, e deve estar sentindo dor no(s) dente(s) restante(s), se houver. Se foram extraídos pelo médico veterinário, a remoção em si não deve ter sido dolorosa – e queremos acreditar que ele fez uma avaliação minuciosa, retirando todos os dentes que precisavam sair. Então, por um tempo, ele ficará “bem”. Mas isso não impede que, depois do procedimento, outros dentes se estraguem e precisem ser extraídos também.

O fato é que, muitas vezes, o problema do cão não é a ausência de dentes, mas sim a presença de dentes podres. Muitos cães voltam a se alimentar normalmente, inclusive com ração seca, após a extração de todos os dentes. Eles conseguem mastigar usando a gengiva. Mas não conseguem mastigar sentindo dor!

Dito isso, se o seu cão está tendo dificuldade para se alimentar, o primeiro passo é levá-lo ao veterinário e fazer uma boa avaliação dos dentes dele. Se for recomendada a limpeza ou a extração de dentes, faça, a não ser que o seu animalzinho tenha alguma condição que o impeça de ser anestesiado. Se for este o caso, o próprio veterinário irá te dizer. Não assuma que o seu cão não está apto a ser anestesiado só porque ele é velhinho!

Identificando A Dor de Dentes

A dor de dentes em cães não costuma ser muito óbvia para os tutores. Um dos sinais é justamente o fato de o cão não se alimentar direito. Quando prestamos atenção, podemos ver que ele tem apetite, mas não consegue comer. Muitas vezes, o cão chega a pôr a comida na boca, mas logo solta, frustrado. Após algumas tentativas, desiste, tendo comido muito pouco ou nada.

Passar as patas no focinho, ou esfregá-lo no chão, são outros sinais de dor ou desconforto. Eles podem fazer isso também porque tem algo preso na boca ou entre os dentes, então, se você conseguir, abra a boca do seu cão e veja se tem algo ali que possa estar incomodando. O mal hálito é mais um indicativo de que há algo errado na boca. Apesar de poder ser sinal de algumas doenças, como insuficiência renal ou intoxicações, o problema pode ser, simplesmente, dentes estragados.

Se tiver qualquer desconfiança de que algo não está certo, leve ao veterinário.

Alimentos Para Cães Sem Dentes

Assumindo que o seu cão já tenha sido devidamente avaliado pelo médico veterinário e não esteja com dor, mas mesmo assim esteja com dificuldade para se alimentar, podemos dar algumas sugestões.

Ração Amolecida

Amolecer a ração é uma técnica antiga, usada principalmente para filhotes em desmame. Mas os velhinhos também podem se beneficiar! Para amolecer a ração do seu cão, basta colocar um pouco de água morna sobre o alimento (já no pratinho dele), e aguardar cerca de 10 minutos. Neste tempo, ela irá aumentar o volume e ficar macia.

Observe que a ração úmida estraga e fermenta muito rápido. Por isso, mais do que nunca a recomendação de não manter a comida no pote do cachorro o dia inteiro precisa ser reforçada aqui. A ração amolecida deve ser consumida imediatamente, e quaisquer sobras devem ser descartadas após alguns minutos. Se o seu cão está acostumado a beliscar o dia todo, leia o nosso artigo sobre o assunto.

Latinhas ou Patezinhos

Os famosos “patezinhos” ou “latinhas” também são alimentos completos. Além daqueles mais populares, encontrados em supermercados, também existem versões específicas para animais com certas doenças. O fator limitante, neste caso, é o custo. Pode ser viável manter cães pequenos apenas com latinhas, mas, para cães grandes, fica bem mais complicado arcar com as despesas.

Dietas Caseiras

A dieta caseira é naturalmente mais macia e molhadinha do que a ração comum. Mas ela também dá mais trabalho, o que por si só pode ser um fator impeditivo para muitos tutores.

Para nutrir adequadamente o seu cão com alimentação caseira, você deve procurar orientação veterinária. Ela pode partir do seu médico veterinário, ou de um nutricionista veterinário. Alimentar um cão com dieta caseira não é o mesmo que dar sobras de comida.  Ainda que a sua família tenha hábitos alimentares saudáveis, lembre-se de que as necessidades nutricionais dos cães são diferentes das nossas. Por isso, você terá que cozinhar especificamente para o(s) seu(s) animal(is).

Se o seu cão tiver dificuldade, você pode também bater tudo no liquidificador, com um pouco de água. Assim, você faz uma papinha semelhante às usadas para bebês humanos. Só que com a composição adequada para cães.

baby food

Imagem: VegKitchen

Para poupar tempo, você pode preparar grandes quantidades de alimento e congelar em porções individuais. Assim, bastará aquecer no microondas ou em banho-maria cada vez que for servir. Não custa lembrar que, se o seu cão deixar restos, eles não devem permanecer no prato. Descarte o que sobrou e procure calcular melhor a dose da próxima vez para evitar o desperdício.

Outras Opções

Atualmente, já existem “comidinhas de verdade”, naturais e sem conservantes, vendidas prontas para cães. O fator limitante pode ser o custo, já que são produtos “premium” e vendidos em pequenas porções. Ainda assim, pode ser uma boa ideia para quem dispõe dos recursos financeiros, ou para quem opta pela dieta caseira mas quer ter um “recurso de emergência” para os dias mais corridos.

Autora: Bárbara Gomiero

Formada em Medicina Veterinária pela UFPR em 2006, especialista em Clínica de Pequenos Animais. Apaixonada por cães, tem um amor especial pelos cães idosos, e trabalha para levar conhecimento e informação aos seus tutores, para que esses sejam capazes de proporcionar uma excelente qualidade de vida nessa fase tão delicada de seus cãezinhos.

Comments are closed