13 Motivos Por Que O Seu Cão Pode Estar Mancando - Meu Cão Velhinho

13 Motivos Por Que O Seu Cão Pode Estar Mancando

Se o seu cachorro está mancando, certamente alguma coisa está errada. Mas você sabe o quê? Veja a seguir 13 possibilidades para explicar o que está havendo, e o que fazer.

boxer com bandagem na pata - mancar

Imagem: Pet Wave

 

Artrite/Artrose Quando vemos um cão velhinho mancando, esta é, de longe, a primeira hipótese que nos vem à mente. A artrite crônica, ou artrose, é a inflamação crônica e degeneração das articulações. Esta doença pode acontecer por inúmeros motivos – entre eles, podemos incluir atividades de alto impacto por longos períodos (cães que saltam, fazem Agility por exemplo) e também o sobrepeso. A artrose causa dor e não tem cura, devendo ser tratada com analgésicos e protetores articulares, associados a exercícios físicos e fisioterapia. Cães que estejam acima do peso devem emagrecer.
Displasia Coxofemoral  A displasia coxofemoral é causada por um defeito genético em alguns cães, geralmente de grande porte. Comum em Pastores Alemães e Rottweillers, a displasia coxofemoral já pode ser detectada em filhotes, através de radiografias. Nestes animais, o fêmur (osso da coxa) não consegue se encaixar perfeitamente na bacia, de tal modo que com frequência o osso chega a se “desencaixar”, causando dor e desconforto. O tratamento é cirúrgico, e pode ser feito em cães jovens. A cirurgia pode corrigir o posicionamento do fêmur, e, nos casos em que o cão já sente muita dor, pode ser feita a “denervação” – é retirada a sensibilidade à dor do cão naquele local específico, o que lhe dará maior qualidade de vida. Caso o animal não seja tratado precocemente, a tendência é que ele desenvolva artrose quando se tornar mais velho, o que irá agravar os quadros de dor e claudicação (“manqueira”).
Displasia de Cotovelo  A displasia de cotovelo é resultado de um problema de crescimento, que resulta numa anormalidade na articulação do cotovelo. Ela causa dor, e tem origem genética (passada dos pais para os filhos). É possível corrigir com cirurgia, desde que esta seja feita antes dos 9 meses de idade. Passado este prazo, o defeito torna-se permanente, e o cão desenvolverá artrose.
Luxação de Patela  Marca registrada de raças “Toy”, mas que também pode estar presente em cães maiores, a luxação de patela acontece quando a patela (osso do joelho, antigamente conhecido como “rótula”) fica se movimentando de forma anormal, causando atrito entre os ossos. Isso acontece porque o encaixe deste ossinho no fêmur não é tão perfeito quanto deveria, e os ligamentos que o mantêm no lugar podem também estar frouxos. Tal como na displasia coxofemoral, este é um problema genético, e pode ser detectado em animais jovens. O tratamento também é cirúrgico, e a não-correção leva ao desenvolvimento de artrose quando o cão fica mais velho. A luxação de patela ocorre em graus variados, sendo possível conviver com os graus mais leves fazendo apenas uma suplementação com protetores articulares; por outro lado, os graus mais avançados causam bastante dor e claudicação (“manqueira”) periodicamente.
Feridas nos Coxins/ Patas Os coxins são as famosas “almofadinhas” que os cães têm nas patas. Se o cão ferir estes coxins, ou o espaço entre eles, ele terá dificuldade para apoiar as patas no chão e irá mancar. Se o seu cão começar a mancar subitamente, antes de mais nada, confira se há algo preso nos coxins ou entre eles. Pode ser um caco de vidro, uma farpa de madeira, ou até mesmo uma agulha. No verão, os cães podem sofrer queimaduras nos coxins se saírem para caminhar no asfalto ou em calçadas, o que causará bastante desconforto e fará com que eles manquem. Para prevenir queimaduras, evite sair com o seu cachorro para passear nas horas mais quentes do dia. Para tratar, será preciso fazer curativos. Leve o seu cão ao veterinário para que ele lhe oriente quanto aos produtos que deverão ser aplicados e a forma de fazer o curativo. Uma ferida na pata pode facilmente infeccionar, por isso, não demore para tratar!
Micoses Tal como os humanos, os cães também podem ter micoses entre os dedos e/ou nas unhas. Elas causam desconforto e coceira, de modo que o cão poderá mancar e também ficar lambendo/ roendo as próprias patas para tentar aliviar. Quando o cão lambe ou coça, ele pode acabar criando novas feridas e espalhar a micose, sendo necessário evitar que ele tenha acesso à região afetada. Isso pode ser feito, por exemplo, com o uso de um colar elisabetano durante o tratamento. Após o diagnóstico, o tratamento poderá ser feito com o uso de antifúngicos tópicos e/ou orais.
Fraturas As fraturas geralmente decorrem de acidentes mais sérios, tais como quedas ou atropelamentos. Apesar disso, alguns acidentes aparentemente mais leves também podem causar fraturas, especialmente em filhotes ou idosos. Uma queda de um sofá, por exemplo, pode ser suficiente para quebrar um ou mais ossos de um filhote. Existem também as fraturas patológicas, causadas por problemas relacionados à calcificação ou tumores ósseos. Após uma fratura em algum dos membros, o cão poderá mancar continuamente ou intermitentemente, dependendo da localização e do tipo da fratura, e da sensibilidade do animal. A confirmação é feita através de raios-X. Se a fratura demorar para ser identificada, o osso pode cicatrizar na posição errada, fazendo com que o animal continue mancando pelo resto da vida. Se a fratura for identificada rapidamente, os ossos podem ser realinhados corretamente, e a pata afetada deverá ser imobilizada até a cicatrização. As fraturas patológicas podem ser mais difíceis de corrigir, já que normalmente há perda óssea.
Entorses A entorse acontece quando o cão “dá um mal jeito”, lesando algum tendão ou ligamento. Isso causa inflamação e dor temporária, podendo ser tratada com analgésicos e/ou relaxantes musculares.
Problemas Neurológicos Os problemas neurológicos podem ser muitos, que variam desde a perda da propriocepção (capacidade que o corpo tem de identificar e corrigir a sua própria posição) até a incoordenação motora e paralisias. As causas possíveis incluem, entre outras, hérnias de disco, tumores em coluna, e infecções virais – como, por exemplo, a cinomose. Cada causa requer um tratamento diferente. Algumas lesões neurológicas podem ser revertidas através de cirurgias ou medicamentos, enquanto outras são permanentes.
Tumores Ósseos Os tumores ósseos são mais comuns em cães de grande porte, mas podem afetar os pequenos também. O seu desenvolvimento geralmente é imperceptível, até que os tumores fiquem realmente grandes. Geralmente, o que se percebe é que o animal começa a mancar – de início, apenas intermitentemente (as vezes, manca, as vezes, não), e, mais tarde, continuamente. Para o diagnóstico, é preciso radiografar o membro que está mancando. Como os tumores ósseos com frequência são malignos, a amputação do membro pode ser recomendada.
Ansiedade por Separação Cães com ansiedade por separação podem praticar a auto-mutilação, quando começam a se lamber obsessivamente. Isto pode ferir os coxins (“almofadinhas”), sendo que alguns cães chegam a arrancar parte deles. Desta forma, o animal irá mancar porque suas patas estão feridas e sensíveis. É preciso fazer curativos e evitar que o cão continue se lambendo. Para facilitar a cicatrização, o uso de um colar elisabetano poderá ajudar; entretanto, para a solução definitiva do problema, será necessário corrigir a ansiedade por separação.
Problemas de Crescimento Os problemas de crescimento podem ser os mais diversos possíveis. Enquanto alguns são genéticos, outros podem ser causados por desnutrição, e até mesmo por “super-nutrição” em filhotes. Os problemas de crescimento envolvem deformidades ósseas, que nem sempre podem ser corrigidas. Ao chegar à terceira idade, conforme o tipo de defeito, os cães podem sofrer com artrose e hérnias de disco, entre outros problemas ortopédicos.
Ruptura de Ligamento Cruzado O ligamento cruzado tem a função de manter o correto posicionamento da articulação do joelho. A sua ruptura, mais comum em cães maiores, pode ser traumática e aguda (causada por um acidente), ou crônica (causada por exercícios incorretos, ou permanência do cão em pisos lisos, terrenos íngremes, ou com degraus). Este problema causa dor, diminuição do apetite, e o animal passa a mancar. O diagnóstico é feito através do exame físico, radiografias, ou tomografias. O tratamento é sempre cirúrgico.

Esta lista não é exaustiva, e o seu cão pode estar mancando por outro motivo. Procure sempre o seu médico veterinário para um diagnóstico correto e o tratamento adequado.

Autora: Bárbara Gomiero

Formada em Medicina Veterinária pela UFPR em 2006, especialista em Clínica de Pequenos Animais. Apaixonada por cães, tem um amor especial pelos cães idosos, e trabalha para levar conhecimento e informação aos seus tutores, para que esses sejam capazes de proporcionar uma excelente qualidade de vida nessa fase tão delicada de seus cãezinhos.

  • Eduardo Marinho

    Boa noite doutora. Minha York (Sofia) começou a mancar no final da corrida quando joguei um osso. Fez como um jogador de futebol quando vai dar um pique e sente algo. O interessante é que ela não sente dor, apenas puxa a perna e não firma no chão. Obs. Ela tem 9,5 anos

    • Pode ter rompido um ligamento, ou pode ser que ela tenha luxação de patela. Leve ao veterinário para examinar.

  • Larissa

    Minha “golden” tem mania de morde as patas da frente , até machuca , fica mancando e nervosa depois disso .
    Oque fazer ?

  • Thuany

    Tenho uma golden de 5 anos.
    Desde um tempo ela manca de uma pata traseira após levanta ,Depois anda um pouco e para .
    Mais toda vez que levanta a mesma coisa. Oque pode ser ?

    • Olá, Larissa!
      Recomendo que leve a sua cachorrinha a um veterinário ortopedista para que seja examinada. Ela pode estar com algum problema de ligamentos, uma displasia, ou até mesmo começando a desenvolver artrose. Só mesmo examinando será possível saber o que ela tem e qual a melhor forma de lidar com o problema.
      Um abraço!

  • Conceição Oliveira

    enho uma poodle de 15 anos, ele costuma pular bastante, ontem ao pular pra subir em uma cama ela “errou” o pulo e se bateu contra a mesma dando um forte grito na primeira tentativa, insistiu na segunda e conseguiu subir, porém desde então ela está andando sem apoiar a pata traseira lado esquerdo. O que pode ser?

    • Ela pode ter rompido um ligamento, ou ter sofrido uma torção, luxação, ou até mesmo uma fratura. Leve ao veterinário.

  • marcella silva costa

    Olá doutora, boa noite. Hoje de manhã ocorreu um problema com um dos filhotes da minha cachorra. Uma caixa caiu em cima do filhote e consequentemente, ele não consegue por essa patinha no chão. Não consegue mais usar ela. Gostaria dr saber se preciso levar ele o mais rápido possível no veterinário e se tel alguma chance de se recuperar. O que devo fazer?????

    • Olá, Marcella!
      Sim, certamente a melhor conduta é levá-lo ao veterinário imediatamente. Caso já não o tenha feito, recomendo que o leve o quanto antes. Como não examinei o cãozinho, fica difícil falarmos em prognóstico… é possível que ele tenha apenas “torcido” a patinha, caso em que a recuperação dele deve ser bem tranquila. Mas, caso ele tenha quebrado ou luxado, é preciso que o veterinário reposicione a patinha do jeito “certo”, para que ela não cicatrize de uma forma que a deixe permanentemente torta ou mal posicionada.
      Melhoras para ele!

  • valter

    Olá! Tudo bem doutora? Gostaria de saber o que pode ter acontecido com meu filhote de rotwailler de 6 meses, ele tem costume de dar fortes arrancadas ao correr quando me vê cedo, desde então ele deu uns gritos fortes e saiu mancando com a pata dianteira depois de correr assim, não sei se ele bateu, não achei tbm nenhum espinho, dei umas pequenas apertadas para saber aonde dói e descobri no ombrinho dele o que pode ser? Tadinho…

    • Olá, Valter! Como ele está agora?
      Caso já não o tenha feito, recomendo que leve o seu cão ao veterinário para ser examinado. Uma radiografia pode ser recomendável para esclarecer o que houve com ele.

  • Roldnei

    Olá, minha cachorra é um bull terrier e tem 4 anos e a 3 dias está mancando, ela está evitando apoiar a pata dianteira no chão, ela é muito ativa e vive pulando, será que pode ser apenas um torção que ela teve? Devo esperar mais quantos dias para levar ela ao veterinário? Obrigado

    • Olá, aumigo! Não deve esperar. Se ela não está apoiando a pata no chão, quase certamente é porque está sentindo dor. Ela precisa ser examinada para que se saiba exatamente o que causou o problema, e para que seja feito o tratamento adequado.

  • Johnny Fernandes

    Ola , tenho uma pastor alemão e ela tem apenas 3 meses , e ela passou a mancar ” quase imperceptível ” a pata esquerda traseira , porém é difícil ela mancar e não é continuo , de inicio estou achando que possa ser lesão devido as brincadeiras e os locais curiosos que ela entra , mas estou em dualidade sobre ser displasia , existe a possibilidade de um filhote ter displasia ?

    • Olá, Johnny! Leve o seu cão para ser examinado pelo médico veterinário. A displasia coxofemoral é muito comum em Pastores Alemães, e o diagnóstico na maioria das vezes é feito com o cão ainda filhote.

  • Cláudio Murilo Gusmão Siqueira

    Olá. Tenho uma cadela mestiça de 2 anos de porte médio e aproximadamente 28 kg que de 1 mês pra cá passou a mancar da pata traseira direita, levei-a ao veterinário tiraram radiografia da cabeça do fêmo, coluna e joelho e não descobriram o que ela tem.Foi também realizado exame de sangue e nada foi diagnosticado. Ela costumava a saltar bastante e correr muito, sempre muito alegre. Ela tomou meloxivet 6mg por 5 dias e não resolveu. Ela não demostra sentir dor quando é tateada na perna, porém não está colocando mais a perna no chão. Estamos muito preocupados com a tristeza que ela está sentindo. A Sra pode me ajudar?

  • Carol Santiago

    Sinto-me talvez na encruzilhada que muitos donos de cães se sentem… Meu amado Schnauzer de 14 anos começou a mancar de um dia para o outro, levamos no veterinário que ele tem de anos e o mesmo falou que poderia ser artrose, ele foi só piorando e sentindo muita dor. Levamos ao hospital onde foi diagnosticado com suspeita de hérnia discal na cervical. Foram feitos os exames de raio-x, o veterinário de cirurgia neurógica quer que façamos uma tomografia, ecocardiograma, e eletrocardiograma. Talvez tb uma cirurgia de coluna. O veterinário de anos dele, disse que acha que não é indicado fazer uma cirurgia em um cão tão idoso, pois ele acha que talvez ele nem sobreviva a cirurgia e que seria melhor fazer acupuntura e tratar com antiinflamatórios e analgésicos.

    Sei que gastaríamos cerca de 6000 reais com os procedimentos de exames e cirurgia e até fisioterapia… estamos muito divididos entre o amor por nosso animal, a opnião de dois profissionais e a parte financeira . Qual sua opnião Doutora?

    • É realmente uma situação difícil… =/

      O que posso sugerir, num primeiro momento, é: façam a tomografia, para se certificarem do tamanho da lesão, e do que exatamente está acontecendo com ele. O ecocardiograma e eletrocardiograma provavelmente foram solicitados como parte de uma avaliação pré-operatória, e, a não ser que o seu cão tenha suspeita de uma doença cardíaca, só será preciso fazer se vocês decidirem operar. Caso optem por não fazer a cirurgia, pelo menos por hora, esses exames podem ser dispensados.

      Se ele poderia resistir à cirurgia? Considerando que ele seja um animal saudável, sim. O simples fato de ele ser idoso não o impede de ser operado. Mas é claro que é preciso fazer uma boa avaliação pré-operatória antes de se poder afirmar se ele está apto ou não a passar pelo procedimento. (veja mais sobre avaliações pré-operatórias aqui: http://www.meucaovelhinho.com.br/artigos/saude/cuidados-que-voce-deve-tomar-antes-de-operar-o-seu-cao-velhinho/ )

      E o tratamento conservador, sem cirurgia? sim, vocês podem tentar, e pode ser que tenham sucesso! Compreendo que a questão financeira esteja pesando, principalmente por se tratar de um procedimento caro e por ele já estar bem velhinho. Então, vale a tentativa. Vocês podem associar os medicamentos à acupuntura e fisioterapia, e é possível que, dessa forma, consigam dar a ele mais conforto e qualidade de vida.

      Se, passado algum tempo, vocês acharem que o resultado não está sendo satisfatório, então podem reconsiderar a cirurgia. 😉

      Melhoras para ele!

      • Carol Santiago

        Doutora Bárbara, muito obrigada por disponibilizar seu tempo e nos responder! 🙂 Eu mesma sou fisioterapeuta, tenho hérnia discal e nunca decidi pela cirurgia – sempre me tratei de forma conservadora. Meu coração está mais indicado a acupuntura e fisioterapia para meu cão velhinho que eu amo de todo meu coração. Tenha um excelente dia e aguardo por seu novo artigo!

        • Por nada, qualquer coisa estou à disposição 😉
          Melhoras para ele!

  • Silvana Pereira Paiva

    ola doutora tenho um poodle toy que ta para completar 14 anos e ele fica lambendo muito a pata direita.

  • Fabiolla

    Ótima matéria! Parabéns!

    • Muito obrigada, Fabiolla! Se tiver alguma dúvida, estamos à disposição! 😉

  • Ka Morais

    Sensacional artigo!!! Estou amando esse site <3

    • Muito obrigada, Ka Morais! Se tiver alguma dúvida, estamos à disposição 😉