13 Motivos Por Que O Seu Cão Pode Estar Mancando

Se o seu cachorro está mancando, certamente alguma coisa está errada. Mas você sabe o quê? Veja a seguir 13 possibilidades para explicar o que está havendo, e o que fazer.

boxer com bandagem na pata - mancar

Imagem: Pet Wave

 

Artrite/ArtroseQuando vemos um cão velhinho mancando, esta é, de longe, a primeira hipótese que nos vem à mente. A artrite crônica, ou artrose, é a inflamação crônica e degeneração das articulações. Esta doença pode acontecer por inúmeros motivos – entre eles, podemos incluir atividades de alto impacto por longos períodos (cães que saltam, fazem Agility por exemplo) e também o sobrepeso. A artrose causa dor e não tem cura, devendo ser tratada com analgésicos e protetores articulares, associados a exercícios físicos e fisioterapia. Cães que estejam acima do peso devem emagrecer.
Displasia Coxofemoral A displasia coxofemoral é causada por um defeito genético em alguns cães, geralmente de grande porte. Comum em Pastores Alemães e Rottweillers, a displasia coxofemoral já pode ser detectada em filhotes, através de radiografias. Nestes animais, o fêmur (osso da coxa) não consegue se encaixar perfeitamente na bacia, de tal modo que com frequência o osso chega a se “desencaixar”, causando dor e desconforto. O tratamento é cirúrgico, e pode ser feito em cães jovens. A cirurgia pode corrigir o posicionamento do fêmur, e, nos casos em que o cão já sente muita dor, pode ser feita a “denervação” – é retirada a sensibilidade à dor do cão naquele local específico, o que lhe dará maior qualidade de vida. Caso o animal não seja tratado precocemente, a tendência é que ele desenvolva artrose quando se tornar mais velho, o que irá agravar os quadros de dor e claudicação (“manqueira”).
Displasia de Cotovelo A displasia de cotovelo é resultado de um problema de crescimento, que resulta numa anormalidade na articulação do cotovelo. Ela causa dor, e tem origem genética (passada dos pais para os filhos). É possível corrigir com cirurgia, desde que esta seja feita antes dos 9 meses de idade. Passado este prazo, o defeito torna-se permanente, e o cão desenvolverá artrose.
Luxação de Patela Marca registrada de raças “Toy”, mas que também pode estar presente em cães maiores, a luxação de patela acontece quando a patela (osso do joelho, antigamente conhecido como “rótula”) fica se movimentando de forma anormal, causando atrito entre os ossos. Isso acontece porque o encaixe deste ossinho no fêmur não é tão perfeito quanto deveria, e os ligamentos que o mantêm no lugar podem também estar frouxos. Tal como na displasia coxofemoral, este é um problema genético, e pode ser detectado em animais jovens. O tratamento também é cirúrgico, e a não-correção leva ao desenvolvimento de artrose quando o cão fica mais velho. A luxação de patela ocorre em graus variados, sendo possível conviver com os graus mais leves fazendo apenas uma suplementação com protetores articulares; por outro lado, os graus mais avançados causam bastante dor e claudicação (“manqueira”) periodicamente.
Feridas nos Coxins/ PatasOs coxins são as famosas “almofadinhas” que os cães têm nas patas. Se o cão ferir estes coxins, ou o espaço entre eles, ele terá dificuldade para apoiar as patas no chão e irá mancar. Se o seu cão começar a mancar subitamente, antes de mais nada, confira se há algo preso nos coxins ou entre eles. Pode ser um caco de vidro, uma farpa de madeira, ou até mesmo uma agulha. No verão, os cães podem sofrer queimaduras nos coxins se saírem para caminhar no asfalto ou em calçadas, o que causará bastante desconforto e fará com que eles manquem. Para prevenir queimaduras, evite sair com o seu cachorro para passear nas horas mais quentes do dia. Para tratar, será preciso fazer curativos. Leve o seu cão ao veterinário para que ele lhe oriente quanto aos produtos que deverão ser aplicados e a forma de fazer o curativo. Uma ferida na pata pode facilmente infeccionar, por isso, não demore para tratar!
MicosesTal como os humanos, os cães também podem ter micoses entre os dedos e/ou nas unhas. Elas causam desconforto e coceira, de modo que o cão poderá mancar e também ficar lambendo/ roendo as próprias patas para tentar aliviar. Quando o cão lambe ou coça, ele pode acabar criando novas feridas e espalhar a micose, sendo necessário evitar que ele tenha acesso à região afetada. Isso pode ser feito, por exemplo, com o uso de um colar elisabetano durante o tratamento. Após o diagnóstico, o tratamento poderá ser feito com o uso de antifúngicos tópicos e/ou orais.
FraturasAs fraturas geralmente decorrem de acidentes mais sérios, tais como quedas ou atropelamentos. Apesar disso, alguns acidentes aparentemente mais leves também podem causar fraturas, especialmente em filhotes ou idosos. Uma queda de um sofá, por exemplo, pode ser suficiente para quebrar um ou mais ossos de um filhote. Existem também as fraturas patológicas, causadas por problemas relacionados à calcificação ou tumores ósseos. Após uma fratura em algum dos membros, o cão poderá mancar continuamente ou intermitentemente, dependendo da localização e do tipo da fratura, e da sensibilidade do animal. A confirmação é feita através de raios-X. Se a fratura demorar para ser identificada, o osso pode cicatrizar na posição errada, fazendo com que o animal continue mancando pelo resto da vida. Se a fratura for identificada rapidamente, os ossos podem ser realinhados corretamente, e a pata afetada deverá ser imobilizada até a cicatrização. As fraturas patológicas podem ser mais difíceis de corrigir, já que normalmente há perda óssea.
EntorsesA entorse acontece quando o cão “dá um mal jeito”, lesando algum tendão ou ligamento. Isso causa inflamação e dor temporária, podendo ser tratada com analgésicos e/ou relaxantes musculares.
Problemas NeurológicosOs problemas neurológicos podem ser muitos, que variam desde a perda da propriocepção (capacidade que o corpo tem de identificar e corrigir a sua própria posição) até a incoordenação motora e paralisias. As causas possíveis incluem, entre outras, hérnias de disco, tumores em coluna, e infecções virais – como, por exemplo, a cinomose. Cada causa requer um tratamento diferente. Algumas lesões neurológicas podem ser revertidas através de cirurgias ou medicamentos, enquanto outras são permanentes.
Tumores ÓsseosOs tumores ósseos são mais comuns em cães de grande porte, mas podem afetar os pequenos também. O seu desenvolvimento geralmente é imperceptível, até que os tumores fiquem realmente grandes. Geralmente, o que se percebe é que o animal começa a mancar – de início, apenas intermitentemente (as vezes, manca, as vezes, não), e, mais tarde, continuamente. Para o diagnóstico, é preciso radiografar o membro que está mancando. Como os tumores ósseos com frequência são malignos, a amputação do membro pode ser recomendada.
Ansiedade por SeparaçãoCães com ansiedade por separação podem praticar a auto-mutilação, quando começam a se lamber obsessivamente. Isto pode ferir os coxins (“almofadinhas”), sendo que alguns cães chegam a arrancar parte deles. Desta forma, o animal irá mancar porque suas patas estão feridas e sensíveis. É preciso fazer curativos e evitar que o cão continue se lambendo. Para facilitar a cicatrização, o uso de um colar elisabetano poderá ajudar; entretanto, para a solução definitiva do problema, será necessário corrigir a ansiedade por separação.
Problemas de CrescimentoOs problemas de crescimento podem ser os mais diversos possíveis. Enquanto alguns são genéticos, outros podem ser causados por desnutrição, e até mesmo por “super-nutrição” em filhotes. Os problemas de crescimento envolvem deformidades ósseas, que nem sempre podem ser corrigidas. Ao chegar à terceira idade, conforme o tipo de defeito, os cães podem sofrer com artrose e hérnias de disco, entre outros problemas ortopédicos.
Ruptura de Ligamento CruzadoO ligamento cruzado tem a função de manter o correto posicionamento da articulação do joelho. A sua ruptura, mais comum em cães maiores, pode ser traumática e aguda (causada por um acidente), ou crônica (causada por exercícios incorretos, ou permanência do cão em pisos lisos, terrenos íngremes, ou com degraus). Este problema causa dor, diminuição do apetite, e o animal passa a mancar. O diagnóstico é feito através do exame físico, radiografias, ou tomografias. O tratamento é sempre cirúrgico.

Esta lista não é exaustiva, e o seu cão pode estar mancando por outro motivo. Procure sempre o seu médico veterinário para um diagnóstico correto e o tratamento adequado.

Autora: Bárbara Gomiero

Formada em Medicina Veterinária pela UFPR em 2006, especialista em Clínica de Pequenos Animais. Apaixonada por cães, tem um amor especial pelos cães idosos, e trabalha para levar conhecimento e informação aos seus tutores, para que esses sejam capazes de proporcionar uma excelente qualidade de vida nessa fase tão delicada de seus cãezinhos.

Comments are closed